confira a íntegra da nota divulgada pelo FlamengoO Flamengo anunciou nesta terça-feira, por meio de uma nota oficial assinada por seu Conselho Diretor, que entrará na Justiça contra o Esporte Clube Pinheiros e contra a nadadora Jhennifer Alves da Conceição, que trocou a equipe da Gávea pela paulista em fevereiro deste ano. Medalha de bronze nos Jogos Pan-Americanos no revezamento 4x100m medley,
a atleta de 18 anos teria contrato com o Rubro-Negro até o fim de 2016. O Flamengo também entrou com um mandado de garantia no Tribunal da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) para anular a transferência de Jhennifer antes do Troféu Maria Lenk, o evento-teste e seletiva olímpica da modalidade, de 15 a 20 de abril, no Parque Olímpico.

– A atleta Jhennifer Conceição e seu representante tornam-se, a partir
de agora, “personas non gratas” para o Clube de Regatas do Flamengo e
estão proibidos de entrar na sede do clube na Gávea, em qualquer
circunstância. O Clube de Regatas do Flamengo irá processar a atleta na
esfera civil por conta dos prejuízos advindos do rompimento unilateral
de contrato – afirma a nota.

LEIA TAMBÉM+ Fla acusa nadadora de falta de ética em rompimento; pai defende a atleta+ Pinheiros se defende de acusações do Flamengo sobre a saída de JhenniferO Flamengo informou também que está de relações rompidas com o clube paulista e que vai à Justiça cobrar os direitos relativos à formação da nadadora, que defendeu a equipe da Gávea entre 2011 e 2015.- O Clube de Regatas do Flamengo está rompendo oficialmente qualquer tipo de relação com o E.

C. Pinheiros.

O Clube de Regatas Flamengo, como clube-cidadão, jamais irá trocar a obrigação de dar o exemplo para todos nossos jovens atletas pelo pragmatismo nefasto que vem corroendo as entranhas do esporte brasileiro, fora das arenas esportivas, nos últimos anos. O Clube de Regatas do Flamengo, devidamente documentado, também irá entrar na Justiça para cobrar os direitos relativos à formação da atleta, que nadou no clube entre 2011 e 2015 – disse o Fla, em nota.

O Flamengo também criticou a CBDA por oficializar a transferência da nadadora no último dia 8 de março. A Confederação, por sua vez, informou que não houve qualquer irregularidade no trâmite de registro pelo Pinheiros, ressaltando que a disputa entre os clubes já foi encaminhada ao Tribunal de Justiça da CBDA.

Segundo apurou o GloboEsporte.com, o estatuto da entidade máxima do desporto aquático brasileiro permite que os
atletas troquem de equipe até 30 de março caso não
tenham participado de competições oficiais.

O clube carioca garante que vai até a última instância esportiva para reverter a transferência considerada “inteiramente ilegal” e ameaça recorrer à Justiça Comum, caso as esferas esportivas se esgotem. A CBDA, porém, não vê irregularidade.

– O Pinheiros apenas agiu conforme a vontade da atleta. Posso garantir
que foram seguidas todas as regras de transferência do esporte amador
brasileiro.

Entendemos a questão como uma divergência entre dois clubes,
a qual já foi encaminhada ao Tribunal – resumiu o advogado da CBDA,
Marcelo Franklin. Jhennifer da Conceição é a principal nadadora do estilo peito atualmente no Brasil.

Na primeira seletiva olímpica para os Jogos Rio 2016 – Torneio
Brasileiro/Open, disputado em dezembro do ano passado -, ela não
alcançou a marca exigida para as provas individuais, mas fez índice “B”
nos 100m peito, que a colocaria na equipe brasileira do revezamento
4x100m medley, caso o país conquiste a vaga por meio do ranking da Fina.
A segunda e última seletiva olímpica será o Troféu Maria Lenk, no Rio.

O Flamengo ameaça anular os resultados de Jhennifer caso ela compita pelo Pinheiros.- Queremos alertar também aos outros clubes que, no Troféu Maria Lenk, o
Brasil, em plena seletiva olímpica, poderá assistir a uma atleta
competindo pelo E.

C. Pinheiros, mas com contrato vigente com outro
clube.

Portanto, se não houver uma reversão do atual quadro, além da
credibilidade de todo o torneio ficar comprometida, os resultados das
provas em que a nadadora participar deverão ser naturalmente contestados
pelo Clube de Regatas do Flamengo e outros clubes interessados não
somente na disputa, mas, sobretudo, na restituição da ordem legal e
prevenção de futuros atos semelhantes contra eles próprios – completou o Flamengo em sua nota oficial.Procurada pelo GloboEsporte.

com, a nadadora não foi encontrada para comentar o caso. O Pinheiros informou que está elaborando o seu posicionamento junto ao Departamento de Natação do clube.

 01confira a nota divulgada pelo FlamengoNo dia 1 de fevereiro de 2016, o Clube de Regatas
do Flamengo emitiu uma nota oficial demonstrando decepção e indignação
com a situação de conflito criada pela nossa nadadora Jhennifer Alves da
Conceição. A atleta, que tem atualmente contrato
em vigor com o Clube de Regatas do Flamengo até o final de 2016,
simplesmente comunicou que estaria abandonando o clube em pleno ano
olímpico, em uma postura que combina ingratidão com
antiprofissionalismo.

À época, o Clube de Regatas do Flamengo manifestou
profunda estranheza pelo fato de o E.C.

Pinheiros (mesmo integralmente
informado e oficialmente notificado) estar permitindo que uma atleta,
sob contrato com outro clube, treinasse livremente
em suas dependências, com o agravante da orientação formal de sua
própria comissão técnica de natação.
O E.

C. Pinheiros, em resposta ainda em fevereiro,
negando os fatos, emitiu uma nota oficial, onde constava o seguinte
parágrafo aqui reproduzido: “.

..

Ressalte-se que a Diretoria do E.C.

Pinheiros, em respeito ao Clube coirmão, mesmo podendo
se beneficiar da janela de transferência e federar a atleta (..

.), não o
fez, uma vez que pauta suas ações pelo respeito e ética inabalável”.

Desde então, enviamos diversas notificações à
atleta solicitando sua reapresentação imediata e até propusemos um
acordo para a rescisão contratual, sem nunca termos recebido resposta
alguma.
Infelizmente, no Brasil de hoje, parece que as
expressões “respeito e ética inabalável”, mesmo escritas em nota
oficial, não resistem à verdade e ao tempo.

No dia 4 de março de 2016, a
Federação Paulista de Natação protocolou na Confederação
Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) um pedido de transferência da
nadadora Jhennifer da Conceição para o E.C.

Pinheiros. O clube paulista,
no lamentável afã de contar com mais uma atleta olímpica a qualquer
custo ético nos seus quadros, mesmo sabendo
da inexistência da resolução da situação contratual com o Flamengo,
apenas coroou a triste postura adotada desde o início dessa história.

A partir daí, ocorre uma sucessão de fatos absurdos
que ilustram o atual estágio do esporte nacional, dentro do atual
sistema de federações e confederações, corroborado por clubes que não se
pautam por um mínimo limite de respeito. No dia
8 de março de 2016, a CBDA oficializou a transferência, sem respeitar
os 15 dias legais que a Federação Aquática do Rio de Janeiro teria para
se manifestar.

Cabe ressaltar que, estranhamente, não houve a menor
publicidade da transferência, seja no site da
CBDA ou através de nota oficial.
Para tornar a situação ainda mais grave, a
Federação Aquática do Rio de Janeiro, mesmo anteriormente avisada e
notificada pelo Clube Regatas do Flamengo sobre o caso, quando
consultada posteriormente, inexplicavelmente não se manifestou
quanto à desfiliação da atleta e à ida para o E.

C. Pinheiros.

Quando o Clube de Regatas do Flamengo, que já havia
inclusive inscrito a atleta para o Troféu Maria Lenk, que se realizará
na semana de 15/04, no Rio de Janeiro, tomou conhecimento através de
terceiros sobre o episódio, solicitou oficialmente
junto à CBDA a imediata reversão do ato que julgamos ilegal. Na nossa
petição, anexamos um ofício da FARJ, que “pedia desculpas, reconhecendo e
assumindo o erro pela informação prestada erroneamente”.

A CBDA
simplesmente nos respondeu, no dia seguinte, que
“confirmava a transferência e que não poderia fazer mais nada, dado o
decurso de prazo para reclamações”.
Resumindo: Uma atleta de nível olímpico, mesmo com
contrato em vigor com um clube, é aliciada por outra agremiação e
resolve, unilateralmente, abandonar o seu contratante, sem dar nenhuma
satisfação ou pagar qualquer multa rescisória.

A
nova agremiação ignora o “respeito e ética inabalável”, tão
autoalardeada como qualidades próprias, com um clube coirmão. Tudo isso
sob as bênçãos das federações locais e da confederação nacional, como um
ato de pirataria reconhecido, oficializado e promulgado
sem publicidade.

Diante de seguidos disparates e não compactuando com a degradação moral que tomou conta desse episódio por todos os lados, o Clube de Regatas do Flamengo comunica que:1 – A atleta Jhennifer Conceição e seu representante tornam-se, a partir de agora, “personas non gratas” para o Clube de Regatas do Flamengo e estão proibidos de entrar na sede do clube na Gávea, em qualquer circunstância. O Clube de Regatas do Flamengo irá processar a atleta na esfera civil por conta dos prejuízos advindos do rompimento unilateral de contrato.

2 – O Clube de Regatas do Flamengo está rompendo oficialmente qualquer tipo de relação com o E.C.

Pinheiros. O Clube de Regatas Flamengo, como clube-cidadão, jamais irá trocar a obrigação de dar o exemplo para todos nossos jovens atletas pelo pragmatismo nefasto que vem corroendo as entranhas do esporte brasileiro, fora das arenas esportivas, nos últimos anos.

O Clube de Regatas do Flamengo, devidamente documentado, também irá entrar na Justiça para cobrar os direitos relativos à formação da atleta, que nadou no clube entre 2011 e 2015.3 – O Clube de Regatas do Flamengo irá até a última instância esportiva para que haja a reversão dessa transferência pela FARJ e CBDA, que consideramos inteiramente ilegal.

Esgotadas as esferas esportivas, vamos avaliar a ida à Justiça Comum.Queremos alertar também aos outros clubes que, no Troféu Maria Lenk, o Brasil, em plena seletiva olímpica, poderá assistir a uma atleta competindo pelo E.

C. Pinheiros, mas com contrato vigente com outro clube.

Portanto, se não houver uma reversão do atual quadro, além da credibilidade de todo o torneio ficar comprometida, os resultados das provas em que a nadadora participar deverão ser naturalmente contestados pelo Clube de Regatas do Flamengo e outros clubes interessados não somente na disputa, mas, sobretudo, na restituição da ordem legal e prevenção de futuros atos semelhantes contra eles próprios.É obrigação do Clube de Regatas do Flamengo, dentro da sua grandeza esportiva e com a força de 40 milhões de torcedores, liderar as transformações no esporte nacional.

O Clube de Regatas do Flamengo se recusa a compactuar com os atuais vícios do sistema. Não é à toa que, mesmo com o tamanho e potencial do nosso país, estejamos em posição tão aquém do que desejamos no esporte mundial.

Lamentáveis episódios como o descrito revelam com clareza o porquê de não conseguirmos evoluir. Está mais do que na hora de todos – federações, confederações, atletas e clubes – reconhecerem que o respeito a contratos e a adoção de padrões éticos básicos constituem-se em condições mínimas necessárias para começarmos a elevar o nível do esporte nacional.

*Colaboraram Danielle Rocha e David Abramvezt
.

Fonte: Globo Esporte