As seis derrotas seguidas do Avaí no ano (cinco pelo Catarinense e uma pela Primeira Liga) forçaram a demissão de Raul Cabral. Para o diretor de Esportes do clube, Marcelo Gonçalves, em entrevista após o comunicado oficial, a mudança se fez necessária por questões culturais do futebol brasileiro, com ênfase apenas nos resultados, e deixa a entender que não era seu objetivo, mas “agentes” externos obrigaram o Leão a traçar uma nova diretriz. Dentro do novo plano está a busca por um técnico experiente, que não seja novamente uma aposta, visando recuperação no Catarinense, mas já de olho na Série, e uma nova filosofia de trabalho – enquanto não contrata a nova comissão, Evando assume o time interinamente.

 – As coisas não estavam acontecendo como imaginávamos. Foi feito de tudo para tentar mudar o panorama, a última semana foi intensa de trabalho.

Avaliamos a parte técnica, psicológica, aprimoramos tudo, mas o resultado não veio. A gente sabe que a cultura do futebol brasileiro não contempla a falta de resultados.

Já vivi muito disso. O treinador faz de tudo para reagir, os jogadores também, mas dentro de campo as coisas não aconteceram.

É o momento de mudança para o novo treinador chegar, uma nova filosofia de trabalho.Perguntado se considerava Raul Cabral, demitido junto com o auxiliar Fernando Gil, o único culpado pela má fase vivida pelo Leão, Gonçalves fez uma análise de contexto.

Segundo o dirigente, a mudança foi provocado por influências externas, o que não considera condizente com uma gestão profissional.  – Se eu não me engano, hoje cinco clubes trocaram de treinador pela falta de resultados.

No futebol fica evidente uma prática que se repete ano a cada ano. E pode ter certeza que no Brasileiro, após a oitava rodada, vai aparecer a dança das cadeiras.

É uma questão cultural, dentro da minha visão equivocada, mas que acaba influenciando diretamente as ações dentro do futebol e se insere nesse processo dirigentes, torcida, imprensa e até jogadores, o que para mim não é condizente com uma gestão profissional. Tentamos fazer o mais profissional possível, mas os agentes dentro desse contexto fazem com que você mude o planejado.

Confira mais trechos da coletiva do treinador PERFIL NOVO COMANDANTEVamos discutir internamente os nomes que podem atender ao perfil, principalmente pensando na Série B. Vamos definir critérios para buscar no mercado de três a quatro opções com essas características que entendemos como fundamentais para a sequência do trabalho.

Temos um plano emergencial de recuperação no estadual, nossa maior preocupação nesse momento. O perfil desse técnico tem que ser de alguém que conheça o mercado, que conheça e tenha vivenciado a Série B nos anos anteriores, que possa conhecer as equipes e jogadores adversários.

Lógico, dentro de um segundo critério, conhecimento do Catarinense. Isso também é importante.

E experiência dentro da carreira, estamos trocando um treinador jovem e não podemos fazer nova aposta, tem que ter mais bagagem e que possa trazer uma mudança de atitude na nossa equipe.LÉO CONDÉ SERIA UM NOME?É um nome de boa repercussão.

Os últimos trabalhos, apesar de não serem muito exitosos, é um profissional com um bom perfil. Mas dentro do processo de condução de escolha de um treinador você não pode se basear em um ou dois nomes.

Precisa de mais, apresentar o projeto, entrevistar, falar do planejamento do clube e depois tomar a decisão. O processo também passa pelo aspecto financeiro, pela dificuldade orçamentária, e você tem que ter a habilidade de conseguir conciliar tudo e esse será o trabalho, trazer um treinador competente.

CONTRATAÇÕESDentro do planejamento para a Série B, estava contemplada a contratação de mais alguns jogadores para qualificar o elenco. Isso seria necessário independente da resposta dos atletas da base dentro do estadual.

Isso estava combinado antes mesmo do Raul sair, era um acerto com a diretoria. Estão sendo monitorados atletas de diversos estaduais, com características de que podem servir para o nosso planejamento.

Estamos monitorando, por isso resolvemos investir no nosso núcleo de análise. Vamos aguardar a chegada do novo treinador para analisar esses nomes e partir para o mercado e tentar contratar esses jogadores para chegarem o mais rápido possível.

SAÍDA DE ATLETASDentro do planejamento estava contemplado o empréstimo de alguns atletas. Que tiveram oportunidades, mas que entendemos que precisam adquirir uma rodagem maior.

Pensamos em emprestá-los para disputar uma Série B do Catarinense, ou de repente para fora do país, uma liga de menor prestígio. Para vivenciarem o emocional de uma equipe e depois possam voltar ao Avaí e ter oportunidades no futuro.

SITUAÇÃO DE RAUL CABRAL E FERNANDO GILEles estão se desligando do clube, desejo sorte aos dois. Eles são jovens, com ótimo potencial e podem se tornar bons treinadores no futuro.

Eles tiveram um início positivo, com alcance de resultados, depois esse revés, mas que não vai deixar de ser um grande aprendizado e que vai servir.EVANDO COMANDANDO OS TREINOSA partir de hoje, o Evando, junto com o Fabinho, treinador do sub-20, estamos subindo ele para auxiliar nessas atividades.

Esperamos definir o novo treinador nas próximas 24 horas. Daqui a pouco teremos uma reunião de diretoria para avaliar os nomes, a nossa condição financeira para buscar a contratação e esperamos definir nas próximas 24 horas.

Até lá, Fabinho e Evando tocam os treinamentos da semana.Confira mais notícias do esporte de Santa Catarina no GloboEsporte.

com/sc
.

Fonte: Globo Esporte