A demissão de Raul Cabral ocorreu na segunda-feira, e a contratação do novo treinador, menos de 48 depois. As decisões passaram pelas mãos do diretor de Esportes do Avaí, Marcelo Gonçalves, que concedeu entrevista coletiva nesta quarta para anunciar Silas, falar sobre as expectativas do novo trabalhou e aproveitou para transparecer o processo de escolha e os critérios para a decisão. Segundo ele, a aprovação interna e externa foram preponderantes para escolher um comandante com história no clube.

 – Procuramos fazer um procedimento dentro de uma gestão profissional, como se faz em qualquer empresa no mundo corporativo, lógico que no futebol temos que analisar mais alguns fatores. Na reunião de diretoria, traçamos o perfil do novo treinador de acordo aos critérios pre-estabelecidos: 1 – experiência na Série B, 2 – conhecimento do futebol catarinense, 3 – ter um currículo com experiência no futebol brasileiro, 4 – ter o perfil para trabalhar dentro do projeto do Avaí, utilizando os jogadores da base.

Levantamos quatro candidatos, fiz entrevista com os quatro, e depois entramos a um consenso para eleger e chegamos ao nome do Silas- Foram quatro candidatos: Edson Gaúcho, que entrevistamos pessoalmente, Itamar Schülle, que está no Botafogo-PB, o PC Gusmão, que entrevistei pessoalmente no Rio, e o Silas, um nome que particularmente tenho uma relação muito boa, somos amigos de longa data. (.

..

) Dentro de uma ótica profissional. procurei analisar os fatores que poderiam ser relevantes: procurei analisar o ambiente interno e externo.

Ponto forte e ponto fraco de cada um. Ter uma ideia de qual seria o melhor, principalmente analisando o ambiente interno, entre jogadores e funcionários, e o Silas era o nome que mais agradava.

O externo, tudo que sai na imprensa, as especulações, análises da tendência do torcedores, vendo o que estão nas redes sociais, isso pauta trabalho dentro de uma gestão profissional, dentro de qualquer empresa. Enfim, o processo foi estritamente profissional, dentro de analise de mercado, depois procuramos fazer uma analise mais criteriosa até chegar ao nome do Silas como treinador.

 O ambiente interno, citado por Gonçalves, contempla a aprovação dentro do Avaí. Como o treinador, aos 50 anos, soma duas passagens pelo time de Florianópolis (acesso em 2008 e da histórica campanha do Leão na elite, em 2009, na sequência, além de outro passagem em 2011, mais apagada).

O diretor falou sobre a preferência do ídolo Marquinhos, externada em coletiva nesta terça. – Analise do ambiente interno foi preponderante para a decisão.

O Marquinhos nada mais fez do que expôr para todos o que era o ambiente interno, houve realmente uma consulta, aos mais experientes em relação aos nomes, e acho que é um processo natural. Dentro de uma empresa, os diretores conversarem, natural analisar o ambiente interno e externo.

A partir do feedback do interno, comecei a ver as redes sociais, o que mais estava se falando entre torcedores, preferências. Um processo tranquilo, nada foi influenciado, simplesmente procuramos dentro de um processo analisar e chegar a decisão.

 Confira mais notícias do esporte de Santa Catarina no GloboEsporte.com/sc
.

Fonte: Globo Esporte