Pela primeira vez no ano após a pré-temporada, o técnico Roger Machado pode fazer das coisas que mais gosta: cobrar intensidade dos jogadores do elenco gremista em treinamentos. A semana cheia que já chega ao final dá chance ao comandante para “trabalhar”, como ele mesmo diz, e melhorar partes técnica, tática e física. O calendário com três competições no início de ano irrompeu uma série exaustiva de jogos.

Tanto que Roger, que sempre prega por colocar os melhores em campo, optou por poupar o time titular em três partidas: as vitórias por 3 a 1 sobre o Cruzeiro-RS e 1 a 0 sobre o Veranópolis, pelo Gauchão, e o empate em 2 a 2 pela Primeira Liga contra o Avaí. LEIA MAIS > Ramiro considera lateral função “mais fácil”> Grêmio pede antecipação de quartas do GaúchoNo último compromisso, contra o Ypiranga, no domingo passado, Roger gostaria de colocar todos os jogadores à disposição.

Mas uma parte dos titulares foi preservada. Não atuaram o zagueiro Pedro Geromel, o lateral-esquerdo Marcelo Oliveira, o volante Maicon, os meias Douglas e Giuliano e o atacante Luan.

A semana cheia, que ocorre pela eliminação na Primeira Liga, vem em um momento que o Grêmio precisa “azeitar” a equipe até o confronto decisivo contra a LDU, no dia 13 de abril, pela Libertadores.– Está cansativo.

Os trabalhos quando não tem jogo são mais intensos, estamos acostumados com esse trabalho do professor Rogério (Dias, preparador físico) e do professor Roger. Mas é bom porque acabamos trabalhando em cima de detalhas, acertando o que é necessário.

É bom de vez em quando ter esse espaço entre um jogo e outro – afirma o goleiro Bruno Grassi, que será titular no domingo devido à presença de Marcelo Grohe na Seleção. Em diversas entrevistas, Roger deixa claro que gosta de jogar, mas que algumas semanas cheias são necessárias ao trabalho para o técnico não se acomodar na série “jogo-recuperação-jogo”.

No primeiro treino da semana, comandou uma atividade técnica intensa, com foco na parte física e na capacidade anaeróbia, que é a mecânica utilizada pelo corpo para usar seus sistemas sem que necessite de oxigênio. Ou seja, a preparação dos atletas para atividades intensas curtas sem sentir tanto cansaço.

É quando Roger cita que os jogadores podem “vomitar” e “passar mal”. Na terça-feira, o treinador fez um circuito físico com bola junto ao preparador físico Rogério Dias.

Setorizou o elenco e praticou atividades diferentes para jogadores ofensivos e defensivos. Os primeiros tinham de finalizar após corrida curta e depois voltar a uma distância mais longa, como se estivessem recompondo, e parar em um quadrado delimitado.

Os de defesa faziam tiros curtos e depois precisavam sair juntos, para alinhar movimentação. Em outra parte do treino, faziam um tiro mais longo e tinham de recuar.

Neste movimento, precisavam cabecear uma bola cruzada pelo alto. – É bom para ter uma base física para que aguente a maratona de jogos do futebol brasileiro.

Acho muito importante neste intervalo de jogos quarta e domingo ter algumas semanas cheias, poder trabalhar para recuperar todos os fatores – avalia Ramiro.  Nesta quinta, o Tricolor volta a trabalhar pela manhã.

Roger deve começar a montar o elenco com questões mais táticas. São duas baixas na semana: o meia Giuliano, que faz tratamento para fascite plantar, e o atacante Luan, se recuperando de caxumba.

Nas atividades, poderá ajustar o posicionamento do volante Ramiro na lateral direita e retomar a parceria de Walace e Maicon na equipe titular. Também tem condições de testar Lincoln e Pedro Rocha entre os titulares, já que não conta com Luan e não deve ter Giuliano para o jogo de domingo, contra o Lajeadense, na Arena.

 Confira todas as notícias sobre o esporte gaúcho em www.globoesporte.

com/rs
.

Fonte: Globo Esporte