Se Lucas Lima é capaz de mudar a cara de uma seleção brasileira durante um jogo de Eliminatórias, imagine em um Santos x Ferroviária.Poupado no primeiro tempo por Dorival Júnior, já que havia participado das duas partidas recentes do Brasil (contra Uruguai e Paraguai), o meia entrou no intervalo e acabou com o jogo. Fez gol? Não.

Mas transformou um “catadão” num time de verdade, capaz de balançar a rede quatro vezes em 45 minutos e animar um torcedor que chegou a pegar no pé de alguns jogadores.A vitória por 4 a 1 sobre a Ferroviária garantiu ao Santos a classificação para a fase de mata-mata do Campeonato Paulista com duas rodadas de antecedência.

O time está na ponta do Grupo A com 26 pontos, mas já não tem como alcançar o Corinthians na liderança geral. A Ferroviária está em terceiro no Grupo C com 16, três pontos a menos do que o São Paulo.

O jogoO primeiro tempo do Santos foi muito ruim. No banco, Lucas Lima viu um time carente de suas principais referências – Ricardo Oliveira (que também estava com a Seleção) e Renato (machucado).

Gabigol bem que tentou fazer um pouco de tudo – armar, correr, abrir espaços, finalizar. Um peixinho só não faz um time inteiro jogar.

A Ferroviária se aproveitou da instabilidade santista e abriu o placar com Tiago Marques aos 32 minutos, numa falha coletiva da defesa alvinegra (veja no vídeo abaixo). No ataque, Paulinho errava tudo o que tentava, e Joel parecia sem sorte.

Rafael Longuine, na vaga de Lucas Lima, mostrava que está a léguas de distância do titular. E a ausência de Renato era ainda mais sentida, já que seu substituto foi Alison – marcador com fama de implacável, mas que se mostrou disperso em vários lances (inclusive no gol da Ferroviária) e com a velha dificuldade no passe.

Só Gabriel jogava bem e, mesmo assim, perdeu uma chance incrível, no fim do primeiro tempo (veja abaixo). No intervalo, Dorival Júnior “deu uma aula” para os jogadores, nas palavras de Victor Ferraz.

Segundo o lateral, teve até vídeo explicativo sobre como marcar a Ferroviária. O curioso, de acordo com o próprio Dorival, é que o time de Araraquara é o que mais se assemelha ao Santos na proposta de colocar a bola no chão e trocar passes à exaustão – são as duas equipes que lideram o ranking dessa estatística.

Não fazia sentido, portanto, o Peixe ser envolvido pelo adversário. O que faltava era se impor.

E é aí que entra Lucas Lima.O camisa 20 do Santos não é daqueles armadores que alugam um setor do gramado e ficam por ali à espera da bola.

Muito pelo contrário. Lucas Lima é do tipo que se movimenta e carrega pelo menos dois marcadores juntos com ele o tempo todo.

Na velocidade e na habilidade, quase sempre leva a melhor. E assim vai abrindo espaço para os colegas de time – todos parecem crescer ao redor de Lucas Lima.

Ele participou de três dos quatro gols do Santos. Nada mal para quem estava havia menos de 48 horas no Defensores del Chaco, com a missão de furar a defesa do Paraguai.

O gol de empate surgiu aos 17, com Zeca, o lateral-esquerdo destro, cortando para dentro e batendo rasteiro. Na construção da jogada, o Santos teve a posse de bola por quase 1 minuto e meio, trocando passes até que ela chegasse a Lucas Lima.

Marcado por três, o meia deu um passe por elevação para Zeca surgir sozinho na área. Na comemoração, o jovem lateral fez um gesto de silêncio para um setor da Vila que vinha pegando no seu pé – e depois pediu desculpas.

Paulinho, mostrando oportunismo, marcou aos 26 e aos 30, aproveitando passes de Gabriel e Joel, respectivamente. Foi a redenção para o atacante, ex-Flamengo, que teve atuação ruim no primeiro tempo.

Gabigol, incansável, fechou a goleada já nos acréscimos, convertendo pênalti sofrido por ele mesmo. Veja os gols santistas no vídeo abaixo: 
.

Fonte: Globo Esporte