O Botafogo sofreu fora do campo na
estreia
da Copa do Brasil terça-feira. Com um time misto, venceu o Coruripe por 1 a 0 (veja os melhores momentos), mas enfrentou muitas
dificuldades para jogar no interior de Alagoas. Choveu muito, e
o gramado
do Gerson Amaral, um dos mais utilizados no Campeonato Alagoano,
ficou pesado.

Na etapa final, a chuva deu uma trégua, e o jogo
fluiu melhor, cabendo a Luís Henrique, aos 38 minutos, fazer o gol da vitória alvinegra. Outro problema do time carioca foi a
entrada no estádio de Coruripe.

Com a rua bloqueada por carros, os
jogadores tiveram de descer do ônibus
fora do Gersão e caminhar para o vestiário.  Após a partida, o zagueiro Renan Fonseca relatou as adversidades enfrentadas pelo Bota em seu primeiro passo na competição nacional.

–  A
gente procurou jogar o jogo. Choveu durante a partida, o campo pesado
também, fizemos uma viagem de 80 quilômetros até chegar aqui, descemos
na rua, viemos andando para o campo, uma situação um pouco diferente
para o que a gente está acostumado, mas acho que o importante foi a
vitória – salientou o capitão do mistão botafoguense.

Este
foi o primeiro jogo de um integrante do chamado G-12 em Coruripe. Em condições
normais, o estádio comporta até jogos de grande apelo – o Sport atuou lá
no ano passado -, mas a chuva prejudicou inclusive a energia elétrica da cidade.

Quando
os jogadores estavam no vestiário, a luz acabou.Técnico do Alvinegro, Ricardo Gomes não fez críticas específicas ao estádio.

E sobre as condições climáticas, entendeu que a chuva prejudicou também o Coruripe. –
É um bom gramado, um campo pequeno.

Toda essa grande confusão é com a
gente, para gente evoluir. No jogo, não tiveram nenhuma
(as dificuldades) influência – declarou o treinador do Botafogo.

.

Fonte: Globo Esporte