Agora vamos ver o que acontece quando o técnico do time da Vila, Dorival Jr faz uma substituição na equipe. O treinador insiste em jogadores com pouca qualidade de distribuição e movimentação, no momento ofensivo, e de pouca marcação no momento defensivo. Um bom exemplo são os jogadores Patito Rodríguez e Neto Berola.

O Alvinegro perde muito sua qualidade no ataque quando Dorival tira Gabigol ou Paulinho( que vem demonstrando boa evolução) para coloca-los.
Também é difícil entender porque Daniel Guedes não foi inscrito para o Paulista.

Isso faz o comandante do Peixe improvisar o Volante Alison na Lateral. Sem falar também que, quando sai Renato ou Thiago Maia, entra Serginho, que é bom jogador, mas não faz a função de sair jogando como faz Renato, e não aparece muito de homem surpresa, como faz Thiago Maia.

Baseado nisso, quando o Treinador do Alvinegro Praiano precisa mexer na equipe, ela muda muito de forma tática dentro do campo. Ao tirar Renato, ninguém que entra faz a função de levar a bola ao ataque.

Quando sai Lucas Lima, não entra alguém para distribuir o jogo. Na Saída de Gabigol, ele insiste em Patito ou Neto Berola, fazendo o ataque perder em qualidade.

As vezes também coloca Joel pelos lados, o que não deixa de ser um improviso, pois a função do Camaronês é centroavante.
O Santos tem jogadores de reposição que conseguem manter o bom padrão tático da equipe.

A prova disto está contra o São Paulo, no ultimo domingo. Mesmo com cinco desfalques, o time da Vila manteve deu “DNA ofensivo” e jogou melhor que o Tricolor, apesar do empate.

O grande problema são que as substituições não mantém a boa tática da equipe da Baixada.
Crédito da Foto: Reprodução/ Facebook Oficial Santos Futebol Clube

.

Fonte: Torcedores.com