O Princesa do Solimões
estreia na Copa do Brasil na próxima quarta-feira (06) contra a
Chapecoense, no estádio Gilbertão, localizado no município do Amazonas. Sem tempo hábil para reparar os problemas, e mesmo com os laudos técnicos assegurando a segurança do estádio, o administrador do estádio garante: “não há condições”. Sandomar Gusmão, responsável pelo estádio há 10 anos, inclusive, deixou o cargo.

Em conversa com o
GloboEsporte.com o dirigente conta que os vestiários não dispõem de mobília
para receber as equipes.

Além da falta de estrutura para os atletas, as cabines de transmissão para jornalistas também não são suficientes para o número de equipes que acompanhará o jogo. De acordo com Sandomar, todos os problemas foram repassados diversas vezes à
prefeitura da cidade (há meses) e nenhuma atitude foi tomada.

 – Os vestiários estão vazios. Não tem nada, nenhuma mobília, nenhum armário, nenhum móvel.

As cabines de transmissão também. Só temos cinco.

Não sei onde vamos colocar tantos jornalistas. Passei essas demandas para o prefeito, mas ele sempre diz que não tem verba.

É difícil a situação, porque não temos de onde tirar dinheiro, também. – explicou.

 Com o agravamento dos problemas estruturais, serviços básicos, como internet e telefonia também são afetados. De acordo com Sandomar, outro principal problema do estádio, é a falta de segurança.

Segundo ele, o local já foi assaltado diversas vezes. – Chamamos uma empresa para ela fazer o cabeamento do estádio, mas foi impossível.

A fiação até está boa, mas precisamos de dinheiro para os projetos. Além disso, também já fomos assaltados várias vezes.

Temos poucos vigilantes e a noite fica só um. Não tem como ele cuidar de um quarteirão inteiro.

É impossível. Tentamos fazer as coisas, com o pouco de verba que temos, mas está cada vez mais difícil a situação do estádio – desabafou.

 Como o Princesa do Solimões é o único clube que usará o estádio neste primeiro semestre, o time chegou a investir em reparos no estádio. Nada que tenha resolvido o problema geral, comentou.

– O Princesa é quem ainda faz algo no Gilbertão. O time tem muita boa fé.

Esse jogo de quarta-feira será inédito para a história do time e da cidade. A nossa preocupação é organizar para que a cidade seja bem vista, também.

 *Por Matheus Castro, com supervisão de Isabella Pina
.

Fonte: Globo Esporte