Reclamações sobre a arbitragem de Alessandro Darcie dominaram as declarações dos pontepretanos após a derrota por 2 a 1 para o Corinthians, na última quarta-feira, em Itaquera. Para jogadores e o técnico Alexandre Gallo, a falta de critério na interpretação de lances envolvendo bola na mão dentro da área beneficiou o Timão e prejudicou a Macaca. A principal crítica foi em relação a duas jogadas semelhantes no segundo tempo.

Primeiro, a finalização de Felipe Azevedo bateu na mão de Edilson, mas Darcie mandou seguir. Depois, já nos acréscimos, assinalou a cal o toque de Romero encontrou o corpo de Fábio Ferreira.

A injustiça, na visão dos atletas da Ponte, foi não ter marcado as duas penalidades. Ninguém contestou o primeiro pênalti a favor do Corinthians – de Jonas em Rodriguinho, na etapa inicial.

João Carlos defendeu ambas as cobranças. – Acho que a camisa pesa um pouco – disparou o zagueiro Fábio Ferreira, cria do Corinthians.

 – Jogar aqui já é difícil, ainda mais com esses contratempos (polêmicas de arbitragem). O problema é adotar dois pesos e duas medidas.

Até pode ter sido pênalti para o Corinthians ali no fim, mas também bateu na mão deles lá – disse o zagueiro Douglas Grolli. A reclamação crucial é que não pode ter dois pesos e duas medidas, apitar de um jeito para uma equipe e de outro para outra.

No meu ponto de vista, os critérios não foram iguais. Esse tipo de situação que nos deixa um pouco triste Em entrevista coletiva, Alexandre Gallo endossou a insatisfação da Ponte com a atuação de Alessandro Darcie.

Foi unanimidade entre os integrantes da delegação campineira que as decisões do árbitro influenciaram diretamente no resultado final. A partida estava 1 a 1 quando aconteceu o lance na área corintiana com Felipe Azevedo.

 – A reclamação crucial é que não pode ter dois pesos e duas medidas, apitar de um jeito para uma equipe e de outro para outra. No meu ponto de vista, os critérios não foram iguais.

Esse tipo de situação que nos deixa um pouco triste. É ruim falar disso, mas tiveram situações iguais com decisões distintas.

E meu comentário sobre arbitragem para por aqui – disse Gallo. Com 16 pontos, a Macaca não eliminou o risco de rebaixamento e também se complicou na briga pela classificação às quartas de final.

Segue tudo embolado, tanto em relação ao Z-6 como na disputa pelas vagas no Grupo B. Restam duas partidas para a Ponte definir o destino.

Sábado, recebe o Água Santa, às 16h, no Majestoso. Depois, fecha contra o Rio Claro, fora.

 
.

Fonte: Globo Esporte