Menos palavras, mais atitude. O goleiro Fernando Prass não
encontrou explicações após a quarta derrota consecutiva do Palmeiras, que foi
goleado por 4 a 1 pelo Água Santa, neste domingo, em Presidente Prudente. Para
ele, o momento deve ser de ação por parte dos jogadores.

A primeira conversa dos jogadores ao final da partida foi
ainda no gramado. Líderes do elenco, como Prass e Edu Dracena, conversaram com
o elenco diante da torcida, que vaiou muito a equipe após o apito final.

Quase todos os jogadores deixaram o gramado cabisbaixos e evitaram falar com a imprensa. – Não dá para explicar.

É não pular fora. É trabalhar,
trabalhar e trabalhar.

Nunca vi um time melhorar só na conversa – resumiu o
goleiro. LEIA MAIS:> Cuca pede reforços e admite crise: “Tomara que seja o fundo do poço”> Atuações do Palmeiras: panes da defesa levam time a vexameVisivelmente irritado, Prass não soube o que responder quando
questionado sobre como os jogadores devem proceder para melhorar a situação do
Palmeiras, que está ameaçado de ficar
fora das quartas de final do Campeonato Paulista.

 – Fazer o quê, cara? Se tiver uma fórmula mágica, passa para
a gente – respondeu. 
Com 15 pontos acumulados em 12 partidas, o Palmeiras tenta encerrar a má fase diante da segunda pior equipe do Paulistão.

Na próxima quinta-feira, o Verdão encontra o Rio Claro, vice-lanterna na classificação geral, às 20h30 (horário de Brasília), no estádio do Pacaembu. 
.

Fonte: Globo Esporte