O presidente do Remo, André Cavalcante, usou uma rede social
na manhã desta quinta-feira para lançar a campanha #‎SouBaenão, que visa
arrecadar recursos e reabrir o estádio azulino para partidas oficiais. De
acordo com o mandatário, a campanha tem como objetivo a venda de lajotas
personalizadas com o nome dos torcedores, que ficarão expostas na fachada externa
da praça esportiva.Ainda segundo André Cavalcante, o Remo fez um levantamento
do orçamento necessário para recuperar o Baenão, porém, não citou valores.

A
primeira fase da reforma inclui, entre outros trabalhos, a recuperação das
arquibancadas com impermeabilização, piso e pintura; construção dos vestiários
do time visitante e árbitros; instalação dos refletores; revisão geral na
instalação elétrica; e a construção de um estacionamento na área do Carrossel,
anexo ao estádio. A pretensão dos dirigentes é reabrir o local para 12 mil
pessoas.

A primeira forma de arrecadação
de recursos será com a venda de uma lajota, com tamanho 33×66 centímetros, onde
cada comprador terá seu nome gravado juntamente com o escudo do Remo nas
fachadas da avenida Almirante Barroso e da travessa Antônio Baena. – Logo estaremos lançando a
campanha de venda dessas lajotas, já com a obra em andamento.

Porém, queremos
que todos que possam ajudar saibam que vamos reabrir o Baenão ainda esse ano.
Agradeço a todos pelo apoio, e peço cada vez mais que, independente de
qualquer coisa, possamos nos unir para fazer um Remo mais forte e mais vencedor
– escreveu André Cavalcante.

O então presidente do Remo, Zeca Pirão, iniciou um projeto de reforma do Estádio Evandro Almeida, o Baenão, em 2013, que previa a troca do gramado, nova iluminação geral e instalação de alambrados de acrílico. A intenção, também, era construir dois lances de arquibancadas.

O local onde ficavam as “cadeiras vips” foi derrubado para a construção de camarotes. Atualmente a área é fechada com
um tapume.

Em razão dos problemas da obra inacabada, o estádio do Leão está fechado para jogos oficiais desde 2014, fazendo com que a equipe realize jogos no Mangueirão, levando à queda de arrecadação e prejuízos, principalmente, em confrontos com equipes de menor expressão.
.

Fonte: Globo Esporte