Mais um clássico do futebol brasileiro aconteceu neste
último domingo, e com ele mais uma morte envolvendo torcidas organizadas. Antes
do duelo em campo entre Corinthians e Palmeiras, no Pacaembu, 25 pessoas foram
presas e uma acabou morta nos confrontos que aconteceram em três regiões da
grande São Paulo. No Redação SporTV, Carlos Cereto, chefe de reportagem do
SporTV na capital paulista, cobrou mais empenho das autoridades e fez um
desabafo (assista ao vídeo).

– Dois dos 30 bandidos detidos, e que já foram liberados
hoje, foram presos em Oruro, o que explica muita coisa (..

.).

E não é possível
que não tenham ficha criminal, não é possível que nenhum deles já não tenha
passagem pela polícia para continuarem presos. Como que esse pessoal é solto?
Isso que não consigo entender – disse o jornalista, lembrando o episódio que
terminou na morte de um torcedor boliviano na Libertadores 2013.

briga; torcidas; corinthians; palmeiras (Foto: Helio Torchi/Simapress/Estadão Conteúdo)Cereto usou ainda o exemplo de outra tragédia marcada pela
violência no futebol paulista, quando um jovem foi morto numa briga entre
equipes de juniores de São Paulo e Palmeiras. Ele lembrou que, desde então,
nenhuma medida eficaz foi tomada e ninguém é preso mesmo diante de tantas
mortes.

– Já vai completar 21 anos daquele episódio trágico e
lamentável na Supercopa São Paulo de futebol júnior, em 1994, na final entre
São Paulo e Palmeiras. Foi uma carnificina dentro de campo e morreu um
torcedor.

De lá para cá, o que acontece? Absolutamente nada. São 21 anos e não
mudou nada.

O que mudou é que dificilmente hoje em dia acontece briga dentro do
estádio, mas aí as brigas acontecem na estação do metrô, as brigas acontecem na
periferia da cidade, as brigas acontecem nas estações de ônibus, nas estações
de trem, então é absolutamente lamentável que ninguém seja preso. Enquanto não
aparecer um promotor que fale menos e faça mais, promotor adora falar e faz
pouco, um juiz que tenha coragem para prender esses bandidos, enquanto não
tiver força política para resolver, o problema vai continuar acontecendo.

Podem
agendar, no próximo Corinthians x Palmeiras vai ter morte de novo. E as imagens
do torcedor chegando no estádio, a organizada do Palmeiras chegou no estádio
escoltada pela polícia, isso é uma afronta à sociedade.

Bandido é escoltado
pela política, e o cidadão de bem não tem essa proteção toda. É inacreditável
que isso aconteça e ninguém faça nada.

A vítima fatal, de acordo com a Polícia Militar, não
participou do confronto. Ele foi atingido por uma bala perdida quando passava
pela praça Padre Aleixo Mafra, na zona leste, em frente à Estação São Miguel
Paulista da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

O tiro acertou o
coração do pedestre, que morreu na hora.E se antes do clássico três brigas aconteceram pela cidade,
depois da vitória alviverde uma nova confusão aconteceu perto do Pacaembu,
entre integrantes da Mancha Verde e da Gaviões da Fiel.

Ao todo, 32 pessoas
foram detidas, sendo 27 homens, quatro adolescentes e uma mulher. Eles foram
encaminhados para o 91º DP, no Ceagesp.

Todos foram liberados após assinatura
de termo circunstanciado.- Já acabou a paciência, já fugiu de qualquer tipo de
limite.

Eu, além de jornalista, frequento estádio de futebol e levo meu filho
de 10 anos, e me sinto um irresponsável. Vou de metrô para o estádio, pego
transporte público, já fiz isso várias vezes, meu pai fazia isso quando eu era
criança e faço isso com meu filho, mas cada vez que acontece esse tipo de coisa
me sinto absolutamente irresponsável.

Quem não tinha nada a ver com a história
foi morto com uma bala perdida. Acabou a paciência – concluiu Cereto.

Um homem foi morto em confronto de torcidas por conta de bala perdida (Foto: Helio Torchi/Simapress/Estadão Conteúdo)
.

Fonte: Globo Esporte