O São José pulou uma fogueira na última semana. Prestes a perder a sede do clube, o Tricolor do Laguinho, como é conhecido, correu atrás do prejuízo e renegociou uma dívida trabalhista que quase lhe custou o prédio, localizado no Centro de Macapá. Enfrentado uma grave crise financeira, o clube foi acionado na justiça por um ex-jogador que cobrava R$ 50 mil em salários após defender a camisa do time no Campeonato Amapaense de 2015, o Amapazão.

Segundo o presidente do São José, Josiel Lima, a sede chegou a ser leiloada no valor de R$ 960 mil, mas o processo de venda não foi concretizado. A direção do São José conseguiu renegociar a dívida trabalhista e a justiça indeferiu o processo de leilão.

– A sede chegou a ser leiloada, mas nós conseguimos reverter o quadro parcelando a dívida trabalhista do clube, que acredito que até o fim da semana vai estar tudo quitado. Quando assumi o time em dezembro de 2015, não sabia que o clube estava tão ruim financeiramente, mas aos poucos nós vamos mudando isso – reforçou o presidente.

Atualmente a sede guarda os troféus e arquivos fotográficos, além de funcionar a escolinha de futsal do clube. O local também utilizado em jogos de basquete e futsal.

Mesmo salvando a sede administrativa, o São José ainda não escapou da crise financeira. A situação é tão grave que fez o Tricolor ficar de fora do Amapazão 2016.

– A
diretoria achou melhor não participar do campeonato este ano com o
clube devendo, para não criar mais dívidas – justificou Josiel Lima. 
.

Fonte: Globo Esporte