Um dos jogadores mais vitoriosos do elenco do Flamengo, Emerson Sheik deve seguir no banco na partida contra o Boavista, sábado, 16h, em Volta Redonda. A visão do lado de fora das quatro linhas não é muito a dele, ainda mais para um jogador que goza de tanta confiança do professor. Logo na chegada, Muricy, que foi campeão brasileiro em 2010 com o camisa 11 rubro-negro no Fluminense, deixou
clara a admiração pelo atacante.

Não faltaram
adjetivos elogiosos:- É um cara que com certeza gosto de trabalhar, é vencedor,
tem personalidade e não pipoca. Na hora de treinar, dá a vida.

É um cara com
quem estou superfeliz de trabalhar. É só ver o currículo dele.

É fundamental no
Flamengo – disse o treinador na ocasião. Como era esperado, Emerson começou o ano como titular, marcou gols – é
vice-artilheiro do time no Carioca, com quatro gols – até ser sacado da
equipe, extraoficialmente, na partida contra o Botafogo (2×2).

Antes praticamente irredutível em relação a manter o esquema de três atacantes – que começou a temporada com Cirino, Guerrero e Sheik -, Muricy optou
por mudar o sistema da equipe no clássico do último sábado, trocando o experiente atacante por um homem de
criação (Alan Patrick) no meio-campo. O 4-4-2, aliás, foi mantido no primeiro coletivo desta semana, na quarta-feira.

Na entrevista após a partida contra o Atlético-PR (0x1), pela semifinal da Primeira Liga, o treinador disse que era mudança circunstancial, afirmando que se “todos estivessem aptos” o Flamengo jogaria com três atacantes. Sheik iniciou a semana treinando normalmente.

O trabalho do jogador de 37 anos é preparado especialmente para um atleta que já não é mais garoto. Apesar disso, Emerson foi um dos últimos a sair da atividade da tarde dessa quarta-feira ao lado de Ederson – outro que deve ficar fora da equipe.

No coletivo, aliás, recebeu ótimas bolas na área, mas parou em Daniel. Numa delas, o jovem goleiro fez ótima defesa, numa cabeçada à queima-roupa (confira em vídeo no topo da matéria)Veja o time que treinou no primeiro coletivo da semana com o técnico Muricy Ramalho.

Emerson disputou 13 das 18 partidas oficiais na atual
temporada (sem contar amistosos) e marcou quatro gols, todos pelo Campeonato Carioca. Destas partidas,
ele foi titular em 11 (sendo que em três foi substituído) e saiu do banco em
duas.

A última delas, no empate em 2 a 2 com o Botafogo, em Juiz de Fora.Nesta temporada, os aplausos da torcida do Flamengo diminuíram.

Chegou a ser vaiado no Pacaembu, no empate com o Fluminense, pelo Campeonato Carioca, e xingado contra o Atlético-PR. Experiente, ele não se abala.

O jogador também tem defesa da diretoria – desde o diretor Rodrigo Caetano até o vice-presidente de futebol Flavio Godinho. O dirigente disse que Sheik “não era intocável” três dias antes dele ficar no banco no clássico contra o Botafogo.

Soou quase como profecia. – O Sheik é um jogador que tem
personalidade, de decisão, que chama a responsabilidade nos jogos e que
puxa a fila no treinamento.

Tem uma série de qualidades que talvez faça o
Muricy escalá-lo. Esse negócio de que o Sheik é
intocável não existe.

O Sheik é um dos grandes jogadores do Flamengo – disse, na semana passada, Flavio Godinho.
.

Fonte: Globo Esporte