Responsável por substituir Martín Silva contra o Botafogo,
Jordi encarou um ataque benevolente para fazer sua primeira partida no ano. O
goleiro do Vasco não fez defesa alguma na partida, graças à má pontaria dos
alvinegros – foram 11 finalizações, apenas uma na direção do gol. Saiu de campo tendo o nome gritado pela torcida – que chegou a
pegar no pé do arqueiro no início do jogo – e ganhou elogios do técnico
Jorginho.

 – O Jordi foi muito bem. Não é fácil substituir o Martín
Silva.

Precisamos dar tempo ao tempo. O Mais importante é que o Jordi
demonstrou que tem capacidade, que o torcedor pode confiar no trabalho dele.

Não só ele, mas o Diogo Silva também. Temos trabalhado estes jogadores que
estejam preparados se houver necessidade.

 Jordi começou a partida inseguro. Teve dificuldade com os
pés ao receber recuos de bola e chegou a irritar a torcida com a indecisão ao
bater tiros de meta.

Sua dificuldade mudou o estilo de jogo do Vasco.
Acostumada a sair com a bola rasteira, a zaga foi acossada pelo Botafogo, e o
arqueiro rifava a bola.

As coisas iam mal até que, curiosamente, num desses
chutões, Nenê achou Thalles para marcar o gol da vitória. Se com os pés Jordi não passou segurança, nas vezes em que
foi exigido ele esteve bem.

O goleiro trabalhou principalmente nas saídas do
gol, em lançamentos para os atacantes alvinegros. Mostrou arrojo e levou a
melhor.

 Faltou fazer defesas. A culpa, no caso, é do Botafogo.

O
time alvinegro até finalizou, mas só uma vez a bola foi no gol, e aí Jordi teve
sorte: a cabeçada de Emerson bateu na trave. Fora isso, apenas chutes para
fora.

 Apesar dos elogios, Jordi deve retornar ao banco de reservas
contra o Flamengo. O titular Martín Silva voltará em voo fretado de seu serviço
na seleção uruguaia e é esperado na madrugada de quarta-feira, dia do clássico,
em Brasília, para reassumir a posição.

 

 

.

Fonte: Globo Esporte