A
torcida da Portuguesa perdeu a paciência com sua equipe. Após quatro jogos sem
vencer na Série A2 do Paulista, membros de uma organizada invadiram o CT nesta sexta-feira e desafiaram o
elenco rubro-verde para um jogo-treino. A ação mexeu com a diretoria de
futebol, que diz entender o protesto, mas lamenta o modo como foi feito –
principalmente suas motivações.

Vice-presidente
de futebol, Antônio Ribeiro relembrou o início da atual gestão da Lusa. No pior
momento da história do clube, na Série A2 do Paulista e na Série C do
Brasileiro, o grupo liderado por Jorge Manuel Gonçalves teve a missão de
reconstruir.

Mais do que isso: limpar a imagem deixada por grupos políticos
passados. – Nós
não somos qualquer um.

Somos torcedores, viemos do mesmo lugar que eles.
Assumimos a Portuguesa porque ninguém queria assumir.

Comandar na Série A ou na
Série B do Brasileiro é muito fácil. Enfrentamos todas as dificuldades,
assumimos porque amamos este clube.

Não pode faltar respeito com quem assumiu a
Portuguesa no pior momento de sua história – disse o dirigente.O
dirigente acredita que não foi uma ação espontânea da torcida organizada.

Para
ele, o protesto teve também motivação política. – Lamentamos
mais ainda neste caso.

Conhecemos os outros grupos que comandaram a Portuguesa
nos últimos anos. O time foi para a Série A2 em outras ocasiões e não houve
protestos como esse – destacou.

O
clima é tenso desde que as possibilidades de avançar na competição estadual
foram reduzidas. Na reta final, os quatro jogos sem vencer deixaram a Lusa a
quatro pontos do G-8.

A torcida respondeu: telefonemas para os dirigentes,
invasão ao CT, ameaças e até pichação em propriedade particular. Mesmo
diante deste cenário, ainda há esperança.

– É
muito difícil. Sabemos que erramos, temos que pedir desculpa à torcida, mas
fizemos o máximo que estava ao nosso alcance em um momento financeiro
complicado.

Dependemos de combinações de resultados, mas vamos acreditar nesses
últimos três jogos – completou Antônio Ribeiro.  Após
16 rodadas, a Portuguesa soma 20 pontos, ocupando a 13ª colocação.

A missão do
time do Canindé é complicada: vencer as três partidas restantes e torcer contra
os adversários na parte de cima da tabela. O primeiro desafio é neste domingo,
às 16h (de Brasília), contra o lanterna e quase rebaixado Rio Branco.

 
.

Fonte: Globo Esporte