O início de 2016 tem sido de relação conturbada entre a
torcida do Bahia e alguns jogadores revelados no clube. Outrora elogiados como atletas
promissores, Zé Roberto e Rômulo se tornaram os principais alvos de críticas
vindas das arquibancadas. Na última quarta-feira, no triunfo por 3 a 1 sobre o
Globo, pela Copa do Brasil, a dupla conviveu com vaias e aplausos.

Reações
opostas que se intercalam a cada jogo do dois no Tricolor. 

Na partida da última quarta, Rômulo e Zé Roberto tiveram
participações decisivas.

O meia contribuiu com a assistência para o gol de
Éder, o primeiro do jogo. O atacante, por sua vez, marcou o segundo tento
tricolor, após cruzamento de João Paulo.

Nesta quinta-feira, Zé foi o escolhido
para falar com a imprensa no Fazendão. Questionado sobre as críticas, ele
revelou certa impaciência com as vaias e falou sobre uma dúvida motivada por um
torcedor “corneta”, que o perseguiu durante o jogo realizado na Arena Fonte Nova.

– Acho que a vaia é chata. Durante o jogo é complicado.

Em
relação ao Rômulo, houve vaia, mas os aplausos engoliram as vaias. Independente
das vaias, tem que estar concentrado para fazer um bom jogo.

No momento do gol,
tinha um torcedor que, acho até que era mais espectador, que estava me xingando
na lateral. Fiquei imaginando dentro do jogo se eu tivesse uma chance clara, se
ele ia torcer para eu fazer o gol ou se iria torcer para eu perder e ele poder dizer
que estava certo.

Acho que aquilo me incomodou bastante. Na hora do gol, veio
isso em minha cabeça.

Graças a Deus pude fazer o gol. Importante para mim.

Naquele
momento, o time estava precisando. Foi bom fazer, me deu confiança durante o
jogo – disse Zé Roberto.

A dúvida sobre a reação do torcedor não foi resolvida. Zé
Roberto não o viu após balançar as redes.

No entanto, ele precisa apenas da
imaginação para ter a certeza de que o “corneta” deixou as queixas de lado e,
no momento do gol, comemorou como qualquer outro que esteve presente na Fonte
Nova.

– Não o encontrei mais.

Mas estava comemorando,
na certa. Estava me xingando, mas depois estava comemorando.

É normal. A maioria
dos torcedores apoia a gente.

Recebi muita mensagem de apoio. É normal.

Torcida
tem o direito de apoiar, criticar. É chato durante o jogo, mas é válido –
comentou.

No processo de enfrentar as críticas, Zé Roberto e Rômulo
encontraram um aliado de peso. Em entrevistas recentes, Doriva pediu que a
torcida tivesse mais paciência com os dois atletas, que vêm sendo utilizados
independente das vaias.

– Acho que tudo passa por ele [Doriva]. Se não confiasse na
gente, não daríamos a volta por cima que estamos dando.

Se não colocasse a
gente para jogar, se não confiasse no nosso futebol..

. Desde que ele chegou,
passa confiança pra gente.

Fala que está com a gente. Às vezes a gente não faz
um jogo tão bom, mas nem por isso deixa de jogar o outro.

Isso dá confiança,
mais tranquilidade. Os gols estão saindo naturalmente.

Se Deus quiser vou fazer
mais – apontou Zé Roberto, que tem três gols na temporada.Saiba mais:Éder celebra 1º gol como profissional: “Para ganhar ainda mais confiança”Fique por dentro das notícias do esporte baianoClique aqui e assista a vídeos do Bahia
.

Fonte: Globo Esporte