Ricardo Duarte/Divulgação SC Inter Fernando Bob é peça-chave na ‘salida lavolpiana’ praticada pelo Inter no início de 2016 Tem sido imagem frequente nos jogos do Internacional, neste começo de 2016: no tiro de meta, Paulão e Réver se deslocam para os lados do campo e abrem espaço para chegada de Fernando Bob. Na frente da área, o volante recebe de Alisson e levanta cabeça para iniciar a jogada ofensiva desde ali. O movimento é o mesmo que o Barcelona fez com Pep Guardiola, especialmente no início do período do treinador no Camp Nou, mas foi criado no México.

Ricardo La Volpe, treinador argentino, é o pai da jogada que o Inter tem usado agora. Foi ele, nos tempos de seleção mexicana, que pensou em uma dinâmica para criar superioridade numérica diante de um adversário que marca com pressão.

Chamada de ‘saída de três’ ou ‘salida lavolpiana’, ela visa criar desequilíbrio e pode até gerar efeito dominó no restante do campo. A ideia acabou sendo adotada por inúmeros treinadores, mundo afora, há anos e chegou ao Beira-Rio agora.

Com um volante entre os zagueiros, o goleiro sempre tem três opções para sair jogando. Os laterais, que em outro tipo de saída de bola ficam perto da área, se deslocam mais para frente e ficam próximos da linha do meio-campo.

Ainda nos Estados Unidos, onde participou da Florida Cup, o Inter aplicou o princípio. E gostou da resposta, repetindo a dose diante do Coritiba e Ypiranga-RS.

O principal jogador neste plano é Fernando Bob, segundo colocado no ranking de passes certos do Brasileirão de 2015, de acordo com o site especializado Footstats. Com Bob, Argel Fucks achou um jeito de ter mais posse de bola e controlar o jogo.

Só que no Campeonato Gaúcho, contra adversários tecnicamente inferiores, o cenário não é bem o ideal. Diante de times limitados, fechados, a marcação alta não aparece.

A vantagem numérica na primeira linha (defesa) não existe e o que era uma solução pode virar um problema. Por isto, variações táticas começam a pipocar.

“Não me apego a um sistema. Já jogamos com vários esquemas.

Já jogamos com losango, quadrado (no meio-campo). Contra o Bayer (Leverkusen, na Florida Cup) jogamos no 4-2-4, agora (contra o Ypiranga-RS) começamos no losango e com 25 minutos fomos para uma linha de quatro.

É importante controlar, é importante ter a posse. Mas é importante fazer gol”, disse Argel após a vitória de 3 a 2 contra o time de Erechim.

Em treino recente, o Inter começou a exercitar a saída de três com outros jogadores. Além de Bob, Rodrigo Dourado e até Anderson foram orientados a buscar a bola entre os zagueiros.

Com a saída de três, ou uma variação ainda a ser usada, o Colorado manda uma mensagem: quer deixar de ser o time que sobreviveu a base de bola aérea e contra-ataques, como no início do trabalho de Argel. Nesta quinta-feira, a equipe tem a chance de testar outra vez.

FICHA TÉCNICA INTERNACIONAL X PASSO FUNDO Data: 11/02/2016 (quinta-feira) Local: estádio Beira-Rio, em Porto Alegre (RS) Horário: às 19h30 min (Brasília) Árbitro: Francisco Neto Auxiliares: Élio Nepomuceno e André da Silva Bitencourt INTERNACIONAL: Alisson; William, Paulão, Réver e Artur; Fernando Bob, Rodrigo Dourado, Anderson e Alex (Andrigo); Eduardo Sasha (Marquinhos) e Vitinho Técnico: Argel Fucks PASSO FUNDO: Matheus; Tiago Machado, Gustavo, Leo Kanu, Alisson Gaúcho; Rudiero, Nata, Souza, Rennan Oliveira; Jean Silva e Hyantony (Branquinho) Técnico: Paulo Porto .

Fonte: UOL