Giovanna Ewbank e Bruno Gagliasso agora são pais da pequena Chissomo. O casal deu início ao processo de adoção da criança africana há cerca de um ano e agora já está morando com a menina no Brasil. Mãe de Titi, apelido carinhoso dado a Chissomo, Giovanna ajuda uma outra menina africana: Cecília, de 6 anos.

A apresentadora conheceu a menina quando foi pela primeira vez para Malawi para gravar um quadro sobre a ONG Little Dresses for Africa para o programa Domingão do Faustão, da TV Globo.

A linda Cecília sempre levando sua bonequinha nas costas 😍🌹 daqui a pouco no #domingaodofaustao #malawi #childrenofmalawi #africa

Durante a exibição da reportagem, Cecília aparece diversas vezes ao lado de Giovanna, que chorou ao vivo ao falar da menina. “Ela tem mãe, ela se apaixonou por mim, ela queria ir embora comigo, ela entrou na van chorando”, relembrou a apresentadora.

Apadrinhamento de crianças

De acordo com o jornal Extra, Cecília mora na África, mas Giovanna se comprometeu a pagar os estudos dela. Em entrevista ao jornal, um amigo da apresentadora disse que ela voltou desta viagem com vontade de ajudar as crianças que conheceu e decidida a adotar.

Quem também apadrinha uma menina da África do Sul é Tatá Werneck. Em entrevista à revista Contigo, em 2014, a atriz disse que se apaixonou por Xipo, na época com 7 anos, durante um retiro espiritual. De acordo com a publicação, a atriz envia uma quantia mensal para o sustento da criança.

“Conheci uma criança, onde fui fazer um retiro espiritual, e sou provedora dela até o fim da vida. Mas não pude trazê-la, porque ela tem família lá. Senão, teria entrado com um processo de adoção. Eu me apaixonei por Xipo, que tem 7 anos. Todo dia recebo notícias dela”, revelou Tatá.

No começo de junho de 2016, Tatá contou em entrevista ao programa “Estrelas”, da TV Globo, que a menina não fala nem inglês, nem português, mas que consegue dizer “I Love You” (Eu te amo, em inglês) para ela e que pretende trazer a menina para morar com ela no Brasil em breve.

Como funciona o apadrinhamento?

E não só os famosos que podem apadrinhar crianças africanas, qualquer pessoa pode se solidarizar. Várias ONGs e fundações dão a possibilidade de você ajudar as crianças através do apadrinhamento. A Fundação moçambicana LVida é uma delas.

Ao se comprometer a apadrinhar uma criança, a pessoa deve contribuir com 190 euros (R$ 692,89) por ano por um período de no mínimo 3 anos para que a criança tenha duas refeições diárias, material escolar e uniforme. Além disso, o padrinho deve se comunicar com o seu afilhado trocando correspondências, fotos e presentes pelo menos uma vez por ano.

A Associação Padrinhos dÁfrica realiza um trabalho semelhante. Para se tornar o padrinho de uma criança, basta acessar o site, preencher uma ficha de inscrição, pagar uma taxa de pouco mais de R$18 para obter uma carteirinha de padrinho, realizar doações de 60 euros (R$ 218,81) ao ano e manter contato com o afilhado.

Fonte: Bolsa de Mulher