Você já ouviu falar em pequi? Essa frutinha originária do cerrado brasileiro não é tão simples de achar, mas, em compensação, é carregada de benefícios. O principal deles é derivado das altas quantidades de gordura boa, ácidos graxos que estão presentes também no abacate e nas oleaginosas, por exemplo. Entenda melhor a seguir.

Benefícios do pequi 

Reduz o colesterol ruim 

A nutricionista Alyne Santim, da Clínica Liliane Oppermann, explica que o pequi é rico em gorduras monoinsaturadas, que agem reduzindo o colesterol ruim, o LDL, sem mudar muito os níveis de colesterol bom, o LDL.

Anti-inflamatório

Alyne Santim explica ainda que o pequi possui uma boa quantidade de zinco (1 mg a cada 100 gramas) e vitamina C (8mg/100gramas). Juntos, esses dois nutrientes agem como antioxidantes, quebrando os radicais livres do organismo e agindo como um anti-inflamatório natural.

Regula a pressão

A diminuição da formação de placas de colesterol nos vasos sanguíneos diminui a resistência ao bombeamento de sangue para o corpo e, por isso, evita o aumento da pressão arterial. Os componentes antioxidantes, por sua vez, ajudam na redução da inflamação dos vasos lesados pelas placas de gordura.

Ação da vitamina A

O pequi é riquíssimo em vitamina A, que, no corpo age como antioxidantes, que atuam principalmente sobre a visão, prevenindo doenças como a catarata, mas também na melhora da elasticidade da pele, na resistência dos ossos e no bom funcionamento do intestino.

Quanto consumir 

A nutricionista explica que as gorduras monoinsaturadas, mesmo sendo benéficas à saúde, agregam muitas calorias à dieta, por isso devem ser consumidas com moderação. Cada 100 gramas de pequi têm, em média, 70 calorias e 18 gramas de gordura. O ideal é não ultrapassar essa quantidade por dia.

Fonte: Bolsa de Mulher