Antigamente era muito comum usar banha de porco em casa para fazer frituras, mas com o passar dos anos ela começou a ser substituída por óleos vegetais. Hoje em dia já é mais difícil encontrar quem conserve o hábito de usar a gordura animal para culinária doméstica.

Banha de porco faz bem?

De acordo com a nutricionista Camila Cavichioli, a banha de porco é rica em vitamina C, ferro e fósforo e isenta de açúcares, por isso, não é tão vilã quanto parece.

Outro ponto positivo da banha de porco é que por ser saturada, ela tolera o aquecimento sem oxidar. Quando acontece a oxidação no óleo, trata-se de uma reação química que altera os ácidos graxos insaturados. Neste processo, a gordura não saturada, se transforma em saturada. Segundo a especialista, isso é muito ruim para a saúde.

Por outro lado, o nutrólogo Roberto Navarro alerta que a gordura saturada, como a banha, tem ácido araquidônico, um ácido graxo que é prejudicial à saúde porque aumenta os quadros de inflamação.

“Os quadros de inflamação são anteriores à parada cardíaca, ou seja, a gordura saturada no organismo aumenta as chances de infarto”, explica Navarro.

Melhor óleo para cozinhar

Camila e Navarro concordam que o melhor óleo para cozinhar é o óleo de coco, mas o nutrólogo ressalta que ele pode mudar um pouco o sabor dos alimentos.

“Apesar de ter o custo mais elevado, ele é bem mais saudável, rico em ácidos graxos e resistente a altas temperaturas, além de ter um sabor gostoso. Pode ser usado tanto nas preparações frias, como nas quentes. Também fornece o aumento de energia e melhora o sistema digestivo”, explica a nutricionista.

Apesar de muitas pessoas acreditarem que o azeite não pode ser aquecido, Navarro diz que ele é a segunda melhor opção na hora de refogar alguma coisa como, por exemplo, arroz. “O azeite agora aguenta um aquecimento maior do que se imagina”, afirma o nutrólogo.

Em seguida, aparece o óleo de linhaça, mas ele não é muito acessível para ser usado no dia a dia e é um pouco difícil de encontrá-lo. Em quarto lugar na lista do nutrólogo aparece o óleo de canola.

Por fim, Navarro ressalta que, na verdade, estes quatro tipos de óleos são os considerados menos piores e que fritura deve sempre ser evitada. “A acroleína é um produto que surge a partir do aquecimento extremo dos óleos e é cancerígena. Portanto, é impossível querer defender algo frito”, esclarece.

Corrida na esteira: 5 jeitos de torná-la mais divertida e menos monótona 

Fonte: Bolsa de Mulher