Uma das grandes preocupações de pais de recém-nascidos é em relação ao arroto, que costuma acontecer sempre depois da amamentação. Para isso, o bebê sempre é colocado por um tempo em posição vertical antes de ser levado novamente ao berço ou ao carrinho. Mas, nem sempre, o arroto acontece.

Por que o bebê arrota?

O arroto do bebê recém-nascido é um processo que só ocorre quando ele engole ar durante a sucção do leite. “O ideal é arrotar em todas as mamadas. Mas não há uma forma de reconhecer se ele realmente ocorrerá”, explica o ginecologista Renato de Oliveira, da Criogênesis.

Não arrotar faz mal?

Se o bebê dormir enquanto mama ou logo depois, deixá-lo deitado pode aumentar o risco de o leite ir para o pulmão. Por isso, recomenda-se deixar a criança dormir em travesseiro com a cabeça mais elevada.

Mas o fato de o bebê não arrotar não deve ser encarado como uma grande tensão para os pais. O que pode acontecer é ele ficar com gases e sentir cólicas.

Melhores posições para arrotar

De acordo com o médico, o ideal é sempre colocar o neném para arrotar após as mamadas, pois isso evita as dores abdominais pela deglutição do ar junto com o leite e, principalmente, minimiza os riscos de aspiração do conteúdo que pode regurgitar.

Ele indica algumas técnicas para estimular o arroto do bebê, como mantê-lo sentado no joelho ou em posição reta, segurando a cabeça com uma mão e elevando os bracinhos do bebê com a outra a fim de aumentar a expansão da caixa torácica.

Até quando o bebê tem de arrotar após mamar?

O médico diz que enquanto o bebê amamentar é necessário que ele seja colocado para arrotar – o que ocorre, geralmente, até os 6 meses, período de aleitamento exclusivo.

E, mesmo na mamadeira, pode acontecer de ter gases. Tudo vai depender da pega do bebê. Se as cólicas forem fortes, é importante consultar um médico, que poderá prescrever medicamentos, se necessário. “São indicados quando há um sofrimento aumentado dos bebês”, afirma.

Fonte: Bolsa de Mulher