Cleo Pires já falou algumas vezes que tem melasma e, por isso, usa muito protetor solar e evita o sol o máximo possível. Quem também toma o cuidado de repassar o protetor sempre é a atriz Deborah Secco, que recentemente revelou que a primeira manchinha de melasma apareceu quando ela ainda tinha 20 e poucos anos.

O que é melasma?

O melasma surge em forma de manchas que normalmente aparecem no rosto e no pescoço por aumento de pigmentação. Nos mesmos locais das manchas, ocorre também o aumento de vasos. A doença é mais comum em mulheres do que em homens e costuma aparecer por volta dos 30 anos. 

Melasma tem cura?

Infelizmente, ainda não existe cura para o problema, mas é possível controlá-lo. Trata-se de uma doença genética, ou seja, depende da predisposição individual das pessoas e também de questões hormonais, por isso que é mais comum em mulheres.

Devido às diversas mudanças hormonais que ocorrem durante a gestação, ela também pode ser um desencadeante desta doença de pele.

“É importante ficar atento para ver se os familiares têm melasma e se a sua pele é parecida com a deles. Se a resposta for sim para as duas perguntas, a pessoa precisa tomar cuidado para não desenvolver a doença”, explica a dermatologista Adriana Salgado.

Avaliação dermatológica

O segundo passo é procurar um dermatologista para fazer uma avaliação, já que os especialistas conseguem fazer o diagnóstico antes mesmo das manchas começarem a aparecer. É o chamado melasma subclínico.

Para fazer este diagnóstico, é usada a lâmpada de wood porque ela consegue definir a profundidade das manchas e se é problema dérmico, subdérmico ou epidérmico. Além disso, são feitas fotos com ultravioleta para o dermatologista visualizar a quantidade de manchas e de vasos.

Melasma: precauções

Entre as precauções está evitar raios UVA, UVB e até a luz visível. No dia a dia, a recomendação da dermatologista é usar sempre protetor solar de fator de proteção acima de 30.

Adriana explica que na praia ou na piscina o fator de proteção do protetor solar deve ser de 50 a 60. Se a pessoa já tiver manchas, o fator mais alto possível.

Quem já foi diagnosticado com melasma precisa evitar ao máximo se expor à luz ultravioleta já que sempre que isso acontece as manchas pioram. “Boné, chapéu, sombra são as melhores coisas para quem tem melasma”, comenta Adriana.

Como tratar melasma?

No tratamento do melasma são usadas substâncias clareadoras aplicadas em consultório como peeling químico, laser fracionado, luz intensa pulsada e microagulhamento para penetrar substâncias na pele sem que ocorra descamação.

A forma de tratar o melasma varia de pessoa para pessoa e não pode ser escolhida aleatoriamente. Por exemplo, a luz intensa pulsada piora o melasma subclínicio, mas melhora os vasos que surgem por causa da doença. Portanto, os dermatologistas devem fazer uma avaliação detalhada antes de iniciar qualquer um dos procedimentos.

Os caos mais leves podem até mesmo ser tratados em casa com clareadores prescritos pelo médico.

Fonte: Bolsa de Mulher