Queloide nada mais é do que uma cicatriz aumentada e elevada que surge a partir de uma tensão da pele que acaba estimulando as fibras. Apesar de não ser perigoso, ele incomoda bastante a quem busca formas de eliminá-lo.

Cicatrização da pele

O queloide pode surgir em qualquer parte do corpo, mas é mais comum em joelhos, cotovelos, costas e tórax porque são lugares que as pessoas costumam movimentar mais.

A dermatologista Christiana Blattner explica que quando machucamos a pele ou passamos por uma cirurgia, o organismo aumenta a produção de vasos e células para a cicatrização.

Depois disso, a cicatriz fica avermelhada, quando a região se enche de vasos e, por fim, esbranquiçada, quando eles são absorvidos.

Como surge o queloide?

De acordo com a dermatologista, é comum cicatrizes começarem a aumentar depois de um ou dois meses dela ser formada e é neste momento que é preciso prestar bastante atenção para queloides não aparecerem.

“Cicatriz pode aumentar de um dia para o outro. Por isso, tem que ficar muito de olho e hidratar a cicatriz com silicone em gel para que a pele não tencione e assim impedir que a cicatriz cresça”, comenta acrescentando que o silicone em gel é facilmente encontrado em farmácias.

Como tratar queloide?

Se você já tiver o queloide e ele está te incomodando, existem algumas formas de tratá-lo em consultórios dermatológicos. Entre eles estão: dye laser, cortisona injetável na cicatriz e até cirurgia.

A dermatologista diz que nenhum tratamento consegue eliminar completamente o queloide, porque onde a cicatriz está não tem mais epiderme, mas é possível melhorar a aparência da marca.

Dye laser

O dye laser, por exemplo, é capaz de tirar a vermelhidão do entorno das cicatrizes.

Microagulhamento

Já o microagulhamento é usado para injetar substâncias dentro do queloide para que ele amoleça e fique menos elevado.

Cirurgia plástica

Uma outra alternativa é se submeter a uma cirurgia plástica no local para eliminar o queloide, mas isso só é indicado nos casos mais severos.

Chistiana explica que as pessoas que têm muita fibrose (aumento de fibras em um tecido) têm mais tendência a ficarem com cicatrizes e, por isso, devem tomar ainda mais cuidado com processos de cicatrização.

“Pessoas com cicatrizes de acne têm mais tendência ao queloide, porque isso é um indicativo de fibrose”, comenta a dermatologista.

Betaterapia contra queloide

Quando é diagnosticado que uma pessoa realmente tem tendência ao queloide e ela se submete a uma cirurgia, Christiana explica que ela precisa se submeter à betaterapia (espécie de radioterapia, mas mais branda) um dia após o procedimento para impedir a replicação de células e evitar que a cicatriz se torne um queloide.

Fonte: Bolsa de Mulher