EtoileArk/shutterstock

A dor na vagina durante o sexo deve ser encarada da mesma forma que uma dor no peito ou de cabeça: como um sinal de que há algo errado. Ela não é normal e você não deve subestimá-la. É importante ir à ginecologista para descobrir o que está causando a sensação dolorosa. Em muitos casos, pode ser algo fácil de resolver como uma alergia à camisinha. Já ouviu falar desse problema? A ginecologista e obstetra Lilian Fiorelli, da Alira Medicina Clínic, ensina a reconhecê-lo.

Alergia à camisinha: o que é 

A ginecologista explica que essa manifestação alérgica surge principalmente em função do contato da vulva e da vagina com o látex presente no preservativo sexual masculino. Apesar de não ser muito comum, a alergia à camisinha deve ser sempre considerada em casos de dor durante a relação sexual.

Sinais de que você tem alergia ao preservativo sexual 

Lilian explica que os 5 principais sinais desse tipo de alergia são:

1.       Dor durante a penetração;
2.       Sensação de ardor quando a vagina entra em contato com o látex do preservativo;
3.       Inchaço na região íntima;
4.       Corrimento vaginal;
5.      Lesões na vagina e na vulva.

A médica conta ainda que muitas mulheres tratam os sintomas da alergia à camisinha como se fosse uma infecção ou acham que o ardor ou dor na relação é normal e retardam o diagnóstico. Vale lembrar que é, sim, possível que a alergia evolua para uma infecção, mas, neste caso, é necessário atacar os dois problemas conjuntamente – e não tratar apenas a infecção sem investigar a causa.

Tratamento 

Diagnosticada a alergia através de testes cutâneos e sanguíneos, o primeiro passo é trocar o preservativo masculino comum pelo tipo que não contém látex. “Outra excelente alternativa é a camisinha feminina, que também é feita de poliuretano”, recomenda Lilian.

Image Point Fr/ shutterstock

A camisinha feminina é feita de poliuretano e, portanto, pode ser usada por quem tem alergia ao látex

Para controlar os sintomas, podem ser usados remédios antialérgicos e anti-inflamatórios, preferencialmente recomendados pelo médico. 

Fonte: Bolsa de Mulher