Você já reparou como a maternidade, principalmente nos primeiros meses e anos da criança, costuma ser retratada como um “mundo perfeito”? Pouco é mostrado da intensa doação física e das novas emoções que vêm com a descoberta de ser mãe.

A fotógrafa norte-americana Anna Ogier-Bloomer, que é mãe e pode falar sobre maternidade como “alguém que já esteve lá”, registrou todas as sensações em imagens de uma maneira muito fiel. E você, já passou por isso também?

Como é ser mãe? 

Há 15 anos, Anna Ogier-Bloomer começou a fotografar sua família, especialmente sua mãe. Consequentemente, registrar a própria maternidade foi um processo muito natural, um passo a mais em uma longa caminhada.

Além disso, não havia tempo para “criar a foto”: “Minha filha precisava ser carregada a maior parte do tempo e ela não dormia mais que algumas poucas horas por vez, por isso ajustar o foco ou preparar a imagem eram coisas praticamente impossíveis”, conta Anna. Tudo isso fez com que suas fotos se tornassem um registro muito puro e corajoso da maternidade.

Em seus ensaios fotográficos, ela projeta suas lentes sobre elementos físicos: a dor na superfície da pele, a doença e o ingurgitamento mamário. Mas une a dor física intensa ao extravasamento de amor, e o estresse à “satisfação emocional sem paralelos”, como ela mesma contou ao Bolsa de Mulher.

Nessa investigação sobre a complexidade da tarefa mais difícil e ao mesmo tempo mais significativa que eu já teve, ela fez dois ensaios fotográficos.

Fotos sobre maternidade 

Amamentação 

Livre demanda

Sobre essa foto, Anna diz desejar que a amamentação seja vista como algo normal: “Quero que as pessoas a quem essas imagens, esse assunto, possam interessar saibam que o fato de os filhos quererem mamar até mesmo quando as mães estão no banheiro está fora do controle delas. Gostaria que fosse entendido o que é, de verdade, a experiência complexa e vital da maternidade e da amamentação”.

Arranhões da amamentação

“Minha identidade mudou completamente depois de parir. Amamentar foi uma parte muito importante dessa conexão à maternidade. Amamentar é um dos maiores prazeres da minha vida, mas algumas vezes foram difíceis”, diz Anna.

Mamilo dolorido

Quando o bebê “pega” o seio da maneira errada, ele acaba machucando o bico, o que pode causar fissuras, feridas e até sangramento. É normal que isso aconteça, mas há maneira de evitar.

Seio inchado de leite

De nome técnico “ingurgitamento mamário”, o “leite empedrado” nos seios é causado pela grande quantidade de leite, o que deixa a região inchada, sensível e pode até causar febre. Há cuidados para prevenir e tratar.

Exaustão 

“Ser mãe é a coisa mais difícil que eu já fiz na minha vida e fiquei surpresa com a carga física que a maternidade me impôs durante dois anos”, conta Anna. Poucos sabem disso.

Sentimentos que só mães entendem 

“Tornar-me uma mãe mudou dramaticamente a maneira como eu via minha própria mãe. Eu entendo agora. Eu entendo sua dor quando um de seus três filhos, todos crescidos, sofrem uma desilusão, desapontamento ou se distanciam. Eu entendo o desejo que ela tem de resolver tudo isso para nós mesmo que ela não possa”.

Não há nada que não tenha mudado depois que eu me tornei mãe. Está tudo mudado e é maravilhoso, mas difícil também”. 

Fonte: Bolsa de Mulher