O Bisfenol A (BPA) é uma substância encontrada nos plásticos transparentes à base de policarbonato bastante prejudicial à saúde. De acordo com especialistas, o BPA faz parte de um grupo de toxinas que têm a capacidade de interferir na síntese, na secreção e na ação de vários hormônios. O que pode também ser causa do ganho de peso. Ele se comporta no organismo de maneira semelhante ao hormônio feminino estrogênio, afetando o funcionamento de glândulas como a tireoide, e também ovários.

Desreguladores endócrinos como o BPA podem causar puberdade precoce e males que incluem obesidade, síndrome do ovário policístico, infertilidade masculina, câncer de mama e de próstata. Essa toxina estranha ao organismo aparece não só nos plásticos como também no revestimento de latas de conserva como milho e ervilha, extrato de tomate e outros. E mais, está presente também em alguns tipos de papel-filme usados na cozinha.

Por serem muito instáveis, essas substância nocivas migram para a comida, principalmente quando as embalagens são aquecidas ou quando há contato com o alimento quente, já que o calor favorece a liberação das toxinas. Esta migração também pode ocorrer no congelamento, quando o plástico é resfriado. Não há consenso sobre a dose segura de exposição, mas sabe-se que, todo dia e com cada vez mais frequência e intensidade, um número maior de pessoas consome alimentos em embalagens plásticas.

Em 2003, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças nos Estados Unidos coletou urina de 2.517 pessoas e 93% das amostras tinham BPA. Os mais vulneráveis aos efeitos nocivos são os bebês e as crianças pequenas. Por isso, no Brasil já está proibida a fabricação e comercialização de mamadeiras contendo BPA. As de vidro retornaram ao mercado e as de plástico são hoje à base de polipropileno, não tão prejudiciais.

Como neutralizar riscos

– Reduza imediatamente o uso de plásticos. Prefira guardar e comprar alimentos embalados em vidro, porcelana, aço inox. Se usar potes plásticos, prefira os isentos ou livres de BPA (BPA-free), o vilão bisfenol, mas nunca armazene nada quente.

– Também abandone o hábito de aquecer a comida no micro-ondas dentro de embalagens plásticas. Prefira sempre servir no prato de vidro ou porcelana quando sujeitar ao calor.

– Passe a observar os rótulos e marcações no fundo de embalagens descartáveis, como as de bebida, o número dentro do triângulo símbolo da reciclagem. Evite as embalagens com número 3 ou 7 (elas contêm BPA), e todas as que não tragam essa informação.

– Reduza o consumo de enlatados e jamais compre latas amassadas. Se o verniz interno fraturar, cresce a possibilidade de o BPA entrar em contato com o produto.

Relação com aumento de peso

De acordo com a nutricionista funcional Carol Borghesi, cada vez mais estudos têm relacionado a presença do bisfenol (BPA) ao aumento do apetite, ganho de peso e obesidade. Segundo a especialista, o efeito acumulativo dessas substâncias no organismo pode ocasionar aumento do apetite principalmente por comidas adocicadas.

Por isso, há associação do BPA não só com o ganho de peso, como também aumento da probabilidade de mulheres desenvolverem câncer de mama e até infertilidade. “Dê sempre preferência por recipientes de vidro, não utilize copos plásticos para tomar café e chás quentes e evite deixar garrafinhas de água exposta ao calor”, lembra a nutricionista.

Fonte: Bolsa de Mulher