Tomsickova Tatyana/Shutterstock

Embora todas as comparações de comportamento e personalidade sejam odiosas, quem tem irmãos sabe que elas são inevitáveis. Quem se comporta melhor, é mais preguiçoso, precoce, protetor, trabalhador. É você a ovelha negra da família? Ou, o contrário, você é o filho prodígio? 

Seja qual for o seu papel na família, saiba não é culpa sua, tudo é uma questão da ordem em que você nasceu. De acordo com especialistas, a idade e a hierarquia entre irmãos é capaz de definir seus gostos para uma especialidade, profissões escolhidas ou o quanto serão bem sucedidos como adultos.

De acordo Jeffrek Klugert, autor de “The Sibling Effect” em entrevista à revista espanhola Glamour, dependendo se você nasce por primeiro, por último ou entre seus irmãos, sua personalidade se desenvolve de uma forma diferente de outra. Conheça as principais influências.

Filho primogênito

Quando eles chegam ao mundo se tornam os reis da casa. Seus pais, ainda iniciantes, tendem a superprotegê-los, a perdoá-los com facilidade, assim, crescem com a sensação de serem o centro das atenções. Dessa forma, é possível dizer que assumem sua liderança no sangue.

Eles estão focados e perseverantes e, de acordo com as estatísticas, são os irmãos mais velhos que vêm a assumir cargos como CEO de empresas, senador ou astronauta, e muitas vezes ganham mais do que os seus irmãos mais novos.

Filho do meio

Falar dos medianos, em geral, é difícil já que uma família pode ter um ou mais filhos que se incluem nesta categoria. Alguns adotam uma posição mais próxima ao irmão mais velho, enquanto outros se movem exatamente para o lado oposto.

Seu comportamento é uma mistura de ambos os extremos, e se caracteriza precisamente por isso: por não ter um papel definido também. Como resultado, por não ser nem o “primeiro” e nem o “último” a chegar na casa, tende a ter mais problemas de autoestima, a passar mais desapercebido e se tornar mais introvertido. No entanto, eles também são mais independentes e observadores.

Filho caçula

Muitas vezes, eles costumam estar em desacordo com a ordem estabelecida, especialmente, por ser o último elo da cadeia. Eles são os menores da casa, tanto no que se refere à idade e ao tamanho, se forçando a compensar sua fraqueza com um caráter forte, com certa rebeldia. Eles são carismáticos e um pouco mais espontâneos que seus antecessores.

Os pais, que já conhecem o ofício da paternidade, se mostram mais tranquilos diante da educação e do contato de seu filho com o mundo. Isso o converte em uma pessoa mais intuitiva do que seus irmãos mais velhos, também mais engraçada e, em algumas ocasiões, mais doce. Eles tendem a ouvir mais as pessoas e tentam conhecer seus desejos e intenções para poder dar um passo adiante.

Fonte: Bolsa de Mulher