Ainda mais natural que a vontade de fumar um cigarro – cena clássica de filme e hábito tão rechaçado hoje em dia, é a vontade de tirar aquela sonequinha depois da transa. Quando há intimidade para deitar “de conchinha”, então, não há sono mais tranquilo e merecido que esse.

Justamente por ser um desejo tão comum, pesquisadores da Universidade de Connecticut, nos Estados Unidos, resolveram ir atrás dos motivos por trás dessa vontade, tantas vezes, incontrolável. O grupo descobriu que a testosterona, hormônio tão determinante também no desejo sexual, pode ser o responsável pela vontade de cochilar depois do sexo – tanto em homens quanto em mulheres.

Para a pesquisa, foram colhidas amostras da saliva de 253 adultos com vida sexual ativa para verificar o nível de testosterona de cada um e cruzar as informações com o diário dos participantes. Todos eles preencheram um questionário durante duas semanas informando suas atividades sexuais, frequência da comunicação pós-sexo e quantidade de orgasmos.

Os resultados

A pesquisa não só mostrou resultados significativos sobre a influência da testosterona no ânimo pós-sexo, como também surpreendeu ao revelar que o orgasmo também é um fator determinante – mas não da maneira que você deve imaginar.

Os adultos testados que apresentaram um nível mais elevado do hormônio testosterona tendiam a manter menos conversação depois da transa e logo não resistiam à soneca. E o mais surpreendente:  aqueles que chegavam ao auge da transa, como tinham menor índice de testosterona – o hormônio gatilho para o sexo, ou seja, já estavam mais satisfeitos – se mostraram mais abertos à conversação depois da transa.

Aqueles que não gozavam, tinham mais testosterona e menos disposição após o coito. Você também não pensava o contrário? Que quem atinge o orgasmo fica mais estupefato e tem vontade de dormir, e quem não alcança o prazer deveria querer tentar de novo?

Fonte: Bolsa de Mulher