lazyllama/shutterstock

Com a proximidade dos Jogos Olímpicos, que serão realizados aqui no Brasil este ano, a discussão sobre o risco de realizar o evento em um país com surtos de zika vírus e microcefalia está se tornando cada vez mais acalorada. Há quem seja contra e quem seja a favor de o país sediar as Olimpíadas em meio a este cenário, mas um professor da USP chamou atenção ao mostrar seu ponto de uma maneira bem diferente: ele fez uma comparação com estupro e assassinato para mostrar as reais chances de se contrair zika no Brasil.

Risco de pegar zika X Risco de estupro 

O epidemiologista Eduardo Massad, professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), já havia, em parceria com colegas, realizado um estudo sobre a possibilidade de contrair dengue durante as Olimpíadas, que serão realizadas no Brasil em 2016.

Com o surto de zika vírus e suas possíveis e graves consequências, surgiu a necessidade de atualizar a pesquisa com as chances de se contaminar com esse micro-organismo.

Em parceria com a USP, ele publicou um vídeo em que mostra as chances de pegar zika e dengue em comparação com as chances de ser estuprada (no caso das mulheres) e morto por arma de fogo (no caso dos homens).

Segundo o professor, as chances de ser infectado com dengue é de 5 casos em cada 10 mil indivíduos, enquanto as chances de pegar zika é de 3 casos em 100 mil. Considerando que é esperado que cerca de 500 mil pessoas visitem o Brasil durante os Jogos Olímpicos, são previstos 15 casos de zika e 250 casos de dengue.

Em contraponto, os riscos de ser estuprada ou assassinado considerando essa mesma quantidade de visitantes são, respectivamente, de 3,5 e 3,8 para cada 10 mil pessoas. Ou seja, 15 vezes maiores que o de contágio pelo zika.

Assista ao vídeo:

Contra as Olimpíadas no Brasil: quais são os argumentos? 

Enquanto a Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta que o risco de contaminação pelo zika é muito baixo, alguns cientistas defendem que as Olimpíadas sejam adiadas ou transferidas para outro país. O apelo é motivado, principalmente, pelo possível alastramento da doença em níveis mundiais causado pelos estrangeiros que pegarão zika aqui levarão a doença a seus países de origem.

Fonte: Bolsa de Mulher