Aumentar os seios com próteses de silicone já é um procedimento cirúrgico bastante comum entre as mulheres e motivado por diferentes razões, estéticas ou não, mas como toda plástica, exige uma série de cuidados especiais. A cantora Valesca Popozuda precisou se submeter recentemente a uma cirurgia de urgência no seio direito dias depois de descobrir uma contratura capsular em torno de sua prótese de silicone. Ela procurou um médico após sentir dores no seio.

O cirurgião plástico Renato Tatagiba explica que 15 dias após a colocação do silicone é criada um tipo de cápsula natural em torno da prótese para isolá-la do organismo.

De acordo com o site de celebridades da Globo, o Ego, o que aconteceu com Valesca foi uma fibrose em uma cicatriz interna ao redor da prótese, provocando contração desta camada protetora natural.

Sintomas da contratura capsular

“Existem quatro tipos de contraturas: a de grau 1, que causa um endurecimento do local, a de grau 2, que causa endurecimento e dor, a de grau 3, que causa também assimetria, um seio já começa a ficar diferente do outro, e a de grau 4, em que a mama fica praticamente calcificada”, explica o cirurgião plástico.

Segundo o especialista este problema costuma ser decorrente de uma reação do organismo à prótese, mas não é possível prever o problema que atinge entre 2% e 3% das mulheres com próteses de silicone.

O mais comum é esta contratura aparecer nos primeiros meses depois da cirurgia ou depois de muito tempo, 5 ou até 10 anos depois da colocação da prótese.

Tratamento da contratura capsular

Renato explica que não é possível reverter contraturas capsulares e, por isso, o ideal é trocar a prótese assim que a pessoa começar a sentir dor para que o grau de contratura capsular não aumente.

“É uma cirurgia urgente, mas não de emergência. O ideal é que a pessoa troque o silicone até o segundo grau para evitar que o problema avance”, comenta.

 

Fonte: Bolsa de Mulher