Thinkstock

A jornalista Ana Paula Scinocca, autora do blog Vigilante da Causa Magra do jornal Estadão, confessa viver fases de amor e ódio com a balança. Por isso, se dedica a escrever sobre fitness e alimentação saudável, sempre dando dicas úteis e precisas sobre como melhorar hábitos e cardápio do dia a dia.

Em uma reportagem em que alerta para o teor excessivo de sal em alguns ingredientes industrializados, ela lembra que de acordo com a Organização Mundial de Saúde só precisamos de 2.400 mg de sódio por dia, o equivalente a 6g de sal. “Um único tablete de carne industrializado, por exemplo, possuiu 2.200mg de sódio em média”, relata.

Para tentar driblar um pouco o uso de sal nas refeições, ela pediu à especialista em nutrição Cintia Azeredo para indicar outros temperos e ervas que podem substituir um pouco o sal na cozinha. Além de naturais, trazem muitos os benefícios à saúde, além de deixar a comida mais saborosa.

1. Alho: Tem ação vasodilatadora, estimula as funções respiratórias, reduz a taxa de colesterol total e triglicerídeo, e elimina toxinas e bactérias patogênicas do organismo. Também tem a vantagem de combinar com quase todos os tipos de cardápio.

2. Salsinha: A erva tem ação digestiva, combate cólicas menstruais e ainda é indicada para infecções urinárias e problemas renais. É rica em antioxidantes e anti-inflamatórios, e pode ser consumida tanto crua em saladas e finalização de sopas, como refogada com legumes, massas e carnes.

3. Cebola: Melhora a circulação sanguínea, previne o envelhecimento das artérias e é rica em potássio, por isso, ajuda a controlar a pressão arterial. Ainda funciona como aliada no combate dos problemas respiratórios. Assim como alho, pode ser adicionada a quase toda e qualquer preparação.

4. Hortelã: A menta tem ação analgésica, estimulante, aromatizante, antioxidante, expectorante, previne problemas bucais e ainda ajuda na digestão, aliviando dores no estômago e problemas no intestino. Suas folhas podem ser adicionadas também a bebidas, como chás e sucos, além de saladas, cozidos e carnes.

5. Limão: A fruta aumenta as defesas do organismo, facilita a digestão, regula a absorção de açucares e, por ser fonte de potássio, auxilia no controle da pressão arterial. Pode ser usado como base de sucos, temperos de saladas, além de aromatizantes de bebidas quentes, como chá e café.

6. Gengibre: O rizoma é digestivo, diurético, antidepressivo e  antisséptico. Além disso, estimula circulação sanguínea e cardiovascular. Pode ser usado ralado, ou em tiras para finalização de pratos, ou refogado como o alho, e ainda para aromatizar sucos, caldos, cozidos, e até pipoca.

7. Coentro: Melhora a digestão e previne a flatulência. É fonte de magnésio, que ajuda no bom funcionamento do sistema nervoso central e fortalecimento dos ossos. O tempero também em rico em vitaminas A, C e do complexo B. Para quem não gosta do sabor mais intenso das folhas, pode experimentar o aroma marcante das sementes. Deve ser acrescentado ao prato quente apenas na finalização, ou frio sobre saladas.

8. Manjericão: A erva estimula o fluxo sanguíneo, prevenindo a hipertensão arterial, e também tem ação antioxidante e anti-inflamatória. Pode ser utilizado em molhos para massas, sopas, cozidos, saladas e carnes. Há uma enorme variedade de tipos de manjericão, todas igualmente nutritivas e prontas para serem exploradas.

9. Alecrim: Tem ação antioxidante, anti-inflamatória e antibacteriana. Também atua no sistema digestivo, aumentando a produção de enzimas digestivas que facilitam o metabolismo dessa sistema. A erva aromática pode ser utilizada em molhos, ensopados, tomates e carnes.

10. Pimenta: Ajuda na redução do colesterol ruim no sangue, melhora o sistema imunológico, auxilia na digestão, na eliminação de bactérias nocivas ao organismo e na circulação sanguínea. Deve ser utilizada com moderação por pessoas hipertensas, devido ao seu efeito termogênico e de contração dos vasos sanguíneos. Pode ser agregada ao preparo de aves, frutos do mar, carnes, molhos e caldos.

Fonte: Bolsa de Mulher