Alguns hábitos e costumes existem há tanto tempo e se tornaram tão naturalizados na sociedade que fica difícil perceber quando pode haver algo de errado. É o caso da responsabilidade sobre os trabalhos domésticos.

Cuidar da casa é tarefa de quem?

No passado, enquanto os homens trabalhavam fora, cabia somente às mulheres as funções de limpar, cozinhar, entre outras. Com o tempo, elas conquistaram seus direitos, adquiriram novas responsabilidades, passaram a ter mais espaço no mercado profissional e, hoje, muitas trabalham tanto quanto os homens. Até mais. Outras são chefes de família e principais provedoras do lar. Mas, em casa, ainda continuam sendo as maiores responsáveis pelas tarefas do lar.

E a questão não se resume a fazer com que os homens ajudem ou colaborem na hora dos cuidados domésticos. Pelo contrário. Dizer isso pode ser um grande erro.

Se uma mulher afirma que o marido “ajuda”, parte-se do princípio de que a obrigação é apenas dela e que os homens estão fazendo um favor ao executarem parte do trabalho, quando, na verdade, o ideal é que houvesse uma divisão igualitária entre ambos. Mas não é o que acontece na maioria dos casos.

Dados de pesquisa

De acordo com uma pesquisa feita pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) em junho de 2016, apenas 36,4% das mulheres casadas dividem as tarefas domésticas com os maridos.

A pesquisa ouviu 810 mulheres em todo o país, com idades acima de 18 anos, de diferentes classes sociais e ocupações. Entre as mulheres casadas ou em união estável entrevistadas, 80,8% disseram que são as principais responsáveis pela arrumação da casa em que moram. Dessas, 25,4% se sentem sobrecarregadas e disseram que já conversaram com os maridos, mas que nada mudou, enquanto 22,3% nunca conversaram, pois acreditam que a responsabilidade é mesmo da mulher. 17,6% sequer toca no assunto para evitar brigas.

Mudanças na educação

Essa cultura vem principalmente da educação de meninos e meninas, que oferece a elas brinquedos como vassouras, panelas e outros itens domésticos e, a eles, brinquedos que em nada se referem aos cuidados com a casa. Acontece, também, quando mães e pais ensinam às filhas a ajudar na cozinha e na limpeza, mas não os filhos. E, mais ainda, com o exemplo, já que os filhos se acostumam a verem sempre as mães, não os pais, fazendo as tarefas do lar.

Mudar essa cultura dentro de casa desde a infância é o primeiro passo para que cresçam conscientes de suas responsabilidades e para que a sociedade seja cada vez mais igualitária.

Fonte: Bolsa de Mulher