Presos durante a operação (Foto: Adneison Severiano/G1 AM)
A operação “Esculápio”, deflagrada na manhã desta sexta-feira (13), resultou na prisão de 15 pessoas envolvidas em um esquema para desviar medicamentos da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) para distribuição em drogarias de Manaus e Iranduba. Investigações apontam que grupo agia há cerca de seis meses desviando medicamentos diariamente. O prejuízo inicial estimado é de R$ 250 mil aos cofres públicos.

No total, foram cumpridos 10 mandados de prisão e 14 de busca e apreensão. Funcionários terceirizados da Semsa estão entre os presos.

Segundo informações da Polícia Civil, a Semsa enviou ofício para apurar denúncia de que medicamentos estariam sendo desviados de dentro do Departamento de Logística (Delog). A  denúncia também apontou que medicamentos desviados estariam sendo vendidos em Iranduba.

Com base nas denúncias, a polícia iniciou a investigação para levantar dados sobre os envolvidos. O delegado Paulo Mavignier, de  Iranduba, coordenou a operação no município e explicou a ação da quadrilha.

“Chegou uma denúncia anônima para a delegacia de Iranduba de que estavam armazenando medicamentos desviados da prefeitura de Manaus que abastecendo farmácias do Iranduba e no bairro Compensa. Iniciamos dois meses de investigação e conseguimos identificar uma quadrilha infiltrada dentro da prefeitura , onde tinham 7 terceirizados, e todos eles  tinham uma função predeterminada, todos repartiam lucro de fora  igualitária, conseguimos
Segundo Mavignier, os receptadores e as esposas, que fariam a parte logística do esquema foram identificados.

A suspeita é que os medicamentos eram desviados de dentro da Prefeitura e também a caminho das Unidades Básicas de Saúde (UBS). Medicamentos da Secretaria Municipal de Saúde (Foto: Adneison Severiano/G1 AM)
“Eles tiravam caixas de dentro da prefeitura e escondiam nos carros.

Ou tiravam do fundo da caixa. Eles subtraíam medicamentos caros, como antibióticos ou medicamentos com retenção de receita.

Todo dia, eles subtraiam medicamento. Em Iranduba, o medicamento era entregue na cabeceira da ponte”, disse o delegado.

A operação foi realizada em conjunto com a Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM), Secretaria Executiva-Adjunta de Operações (Seaop), Secretaria Executiva Adjunta de Inteligência (Seai), Polícia Civil e Departamento de Vigilância Sanitária (Visa Manaus). A Visa acompanhou as apreensões para identificar lotes de remédio da Prefeitura.

Durante a operação, foram presos 13 homens e 2 mulheres, com idades entre 29 e 41 anos. Desse total, 10 foram presos em cumprimento a mandados de prisão preventiva.

Eles serão indiciados por peculato, associação criminosa e furto qualificado. Cinco suspeitos foram presos em flagrante e responderão por receptação qualificada.

Segundo a Semsa, uma estimativa inicial aponta que o prejuízo dos desvios chega a R$ 250 mil, porém, um levantamento mais detalhado deve ser realizado pela pasta. A Polícia Civil informou ainda que mais pessoas devem ser ouvidas e operação terá uma segunda fase.

.