Reeducandos queimaram colchões em um dosmódulos do Cadeião(Foto: Kleyton Anderson/ Arquivo pessoal)
Agentes penitenciários controlaram um princípio de motim no início da tarde deste sábado (14), na Casa de Custódia, conhecida como Cadeião, que fica dentro do Sistema Prisional, na parte alta de Maceió.
A situação foi registrada por volta do meio-dia. Os reeducandos de um dos módulos da unidade prisional atearam fogo a colchões.

Ninguém ficou ferido.
De acordo com o presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários de Alagoas (Sindapen-AL), Kleyton Anderson, a suspeita é que a suspensão das visitas aos reeducandos, provocada pela greve da categoria, tenha motivado o motim.

Ainda segundo Anderson, um problema parecido também foi registrado no presídio Cyridião Durval. Já no presídio feminino Santa Luzia, as reeducandas haviam se recusado a voltar para as celas, mas uma negociação fez com que a situação fosse contornada rapidamente.

“Infelizmente, os presídios não têm bloqueador de celular. Eles [os reeducandos] orquestram e todos os presídios fizeram ‘zoada’ simultaneamente”, explica Anderson.

Procurada pela reportagem, a assessoria de comunicação da Secretaria de Ressocialização e Inclusão Social (seris) confirmou o princípio de motim no Cadeião, e disse que está investigando o caso. Para controlar a confusão, foi preciso acionar o Grupo de Escolta, Remoção e Intervenção Tática (Gerit), que atuou junto aos agentes penitenciários.

GreveOs agentes penitenciários estão entraram em greve na sexta-feira (13). Desde então, apenas os serviços essenciais dentro do Sistema Prisional etão sendo mantidos, como o de segurança dentro e fora das unidades prisionais.

Segundo o presidente do Sindapen, a categoria ainda não foi chamada para negociar.
“Nós pedimos melhores condições salariais e de trabalho.

Estamos com 8 agente para cada mil presos, já estamos no limite do possível”, afirma Kleyton Anderson.
.