Sem condições para sustentar sozinha as netas, avó iniciou uma campanha (Foto: Catarina Costa/G1)
A morte inesperada da filha no domingo (1º) mudou por completo a vida da faxineira Ana Maria Lima Vieira, de 53 anos, que mora no bairro Redenção, Zona Sul de Teresina. Além da dor e tristeza, ela passou a cuidar das quatro netas, as duas gêmeas de apenas cinco meses, e as outras de 16 e 8 anos. O luto abateu a família uma semana antes do Dia das Mães.

Sem condições financeiras para sustentar sozinha as netas, a servidora iniciou por conta própria uma campanha de doação para as bebês esta semana. Vizinhos sensibilizados, foram os primeiros a ajudar Ana Maria nesta difícil tarefa, que precisa ainda mais de apoio.

“Já ganhamos um berço, mas falta o outro, além de algumas fraldas. Outras pessoas deram dinheiro, só que ainda não consegui o suficiente para comprar o leite apropriado para as gêmeas.

Enquanto isso, elas estão tomando o leite integral mesmo. É o que eu posso comprar”, revelou.

Mãe das crianças morreu após complicações de umapancreatite (Foto: Catarina Costa/G1)
A filha de Ana Maria, Ceres Regina, morreu aos 35 anos por consequência de uma pancreatite aguda. Ela chegou a passar sete dias internada no Hospital do Monte Castelo e em seguida foi transferida para o Hospital de Urgência de Teresina (HUT), onde os médicos descartaram as chances de cirurgia.

“Minha filha nunca apresentou problema nenhum de saúde. No dia 20 de abril, ela estava em casa quando começou a sentir fortes dores abdominais e a filha dela de 8 anos conseguiu chamar uma vizinha, que a socorreu.

Ela passou ao todo 12 dias internada, sem esperança nenhuma de viver, mas eu tinha fé da minha Neném [apelido de Ceres] ficar curada”, relatou Ana Maria.
Ceres Regina morava com as gêmeas, a filha de 8 anos e o marido em sua casa no Monte Castelo, também na Zona Sul da capital.

Já a filha mais velha, de 16 anos, sempre morou com a avó, que agora passou a criar as outras três netas.
“Minha filha era uma pessoa alegre e que enfrentava aS dificuldades com bom humor.

Devido à correria com as gêmeas, eu ainda não tive tempo para digerir a morte da minha filha e penso que a Ceres está aqui comigo. Às vezes me pego ligando para o seu celular sem querer, chamo o nome dela ao invés da minha neta.

Esse dia das mães eu não terei o que comemorar, sei que será muito triste”, comentou. Ana Maria conseguiu afastamento do trabalho por alguns dias (Foto: Catarina Costa/G1)
Diante da situação, Ana Maria teve que pedir afastamento do trabalho por alguns dias, mas na próxima semana deve retornar a rotina de 7h às 17h.

Preocupada, ela revelou não saber com quem deixar as gêmeas, já que as outras netas estudam pela manhã e o pai das crianças trabalha o dia todo.
“Estou pensando como cuidar das minhas netas.

Quem vai ficar com elas e como vou sustentá-las, porque não posso deixar de trabalhar e o pai das meninas também não. O que recebemos mal paga as contas.

Vem sendo muito difícil cuidar das gêmeas, elas sentem muita falta da mãe, estão dando até febre e dormem pouco”, disse.
Ana Maria pede doações de dinheiro, leite, roupas, fraldas tamanho M e outros materiais para as gêmeas.

Quem tiver o interesse em ajudar pode entrar em contato através do número: (86) 98864-8058 ou fazer depósito em conta poupança na Caixa Econômca Federal, agência-2004, operação 013 conta 6242-0.
.