A aposentada Maria Lucia, de Londrina, que tem mal de Alzheimer, recebeu ajuda pela primeira vez para viajar de avião (Foto: Arquivo pessoal/Mônica Mastrantonio)Diagnosticada com mal de Alzheimer, a mãe da psicóloga Mônica Mastrantonio, Maria Lúcia, de 70 anos, precisa de companhia quase que o tempo todo. A doença afetou a memória e também o senso de direção da aposentada. Viajar, por exemplo, só se tiver alguém capaz de guia-la.

Essa dificuldade ficou mais evidente em outubro de 2015 quando Mônica precisou que a mãe, que mora em Londrina, no norte do Paraná, viajasse para São Paulo para uma consulta médica. Ao comprar passagens de avião ela descobriu que as companhias aéreas nacionais não ofereciam serviço para auxiliar idosos no embarque e desembarque.

Mônica conta que na época procurou nos sites e ligou nas centrais de atendimento para saber se havia um serviço de acompanhante para idoso, mas todas as empresas só ajudavam crianças. Naquele momento a preocupação foi imediata, e aí surgiu a ideia.

A psicóloga decidiu criar uma petição online para convencer as aéreas a oferecer um serviço parecido com o que já é ofertado para crianças que viajam sozinhas. Cinco meses depois, em março de 2016, com 33 mil assinaturas, Mônica atingiu o objetivo.

Se em outubro Mônica precisou comprar passagens áreas para uma pessoa ir junto com a mãe para São Paulo, na viagem no fim de março, a aposentada contou com a ajuda de um funcionário da Gol Linhas Aéreas para leva-la do guichê de passagens até o avião, e da aeronave até o saguão de desembarque, onde a psicóloga estava esperando. “No dia, a minha mãe disse que gostou e que as pessoas que a ajudaram a trataram muito bem.

Em um país cuja população está envelhecendo, a população de idosos só aumenta, esse tipo de serviço é muito necessário. Fico muito feliz em ver que um abaixo-assinado virtual teve resultado positivo.

Não esperava que fosse tão rápido, que milhares de pessoas se mobilizassem pela causa”, pontua Mônica Mastrantonio. Em outubro de 2015, Mônica precisou comprar passagens extras para uma pessoa acompanhar a mãe em uma viagem para São Paulo (Foto: Arquivo pessoal/Mônica Mastrantonio)
“Muitas pessoas se sensibilizaram porque vivem ou viveram experiência parecida.

A maioria das pessoas que tem Alzheimer, com exceção de quem está em estágio mais avançado, precisa de orientações simples, como direcionamento do portão de embarque ou do local onde poderá pegar bagagem. Ter uma pessoa que cuide dela nesses momentos é muito bom, a família fica mais tranquila”, diz a psicóloga.

Um estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS) de 2015 mostra que o número de brasileiros com mais de 60 anos deve quase triplicar até 2050. A pesquisa da OMS aponta que atualmente o Brasil possui 24,4 milhões de idosos, daqui 34 serão aproximadamente 70 milhões.

Com uma população desse tamanho, adaptações serão necessárias.
“Depois que fiz a petição virtual percebi que a discussão foi além da população idosa.

O acompanhamento é importante também para pessoas com dificuldades cognitivas, doentes que viajam para tratamento médico e precisam de acompanhante durante o voo, há uma série de questões envolvidas. Após a ação virtual, vi que todas as empresas se adequaram e pensaram em todos os passageiros, não só em um grupo específico.

Uma vitória para todos”, comemora a psicóloga. Serviços disponíveisA Gol Linhas Aéreas informou que oferece o serviço ‘Encontrar e Assistir’ gratuitamente, onde disponibiliza ajuda durante os procedimentos no aeroporto para passageiros com dificuldade cognitiva para compreensão e comunicação.

Idosos, gestantes e portadores de necessidades especiais também podem solicitar o serviço na compra da passagem. Com isso, terão auxilio em toda a viagem e terão atendimento prioritário.

 
A Azul Linha Aéreas também oferece o serviço gratuito de acompanhamento de idosos no embarque e no desembarque. Mas, diferente do caso de menores desacompanhados, o idoso não é acompanhado durante o voo.

 
A Tam também oferece o serviço. O passageiro deve solicitar a ajuda de um funcionário da companhia no momento da compra da passagem ou até 48 horas antes do voo.

.