Após denúncias, a Assembléia Legislativa do Maranhão, em São Luís, decidiu exonerar uma funcionária fantasma que exercia o cargo de diretora no órgão. Lilian Dias Alves recebia mais de 18 mil reais sem trabalhar.
A exoneração de Lilian Dias Alves do cargo de diretora administrativa da Assembléia Legislativa do Estado foi publicada nesta quinta-feira (12).

Denúncias do Sindicato dos Servidores da Assembleia Legislativa do Maranhão (Sindsalem) dão conta de que Lilian recebia mais de 18 mil reais por mês, mas não aparecia na Assembleia para trabalhar. Ela era uma funcionária “fantasma”.

O diretor de Recursos Humanos da Assembleia, Eduardo Pinheiro, afirmou por telefone que fez a exoneração assim que a Assembleia identificou a situação de Lilian. Só que o Sindsalem rebate e diz que essa e outras denúncias vêm sendo feitas desde o ano passado.

No Portal da Transparência da Assembleia Legislativa não existem dados recentes com nomes de funcionários da casa nem os salários deles, e nem mesmo a quantidade de servidores que atualmente atuam na Assembléia Legislativa do Maranhão.
Os dados mais recentes disponíveis no portal são do ano de 2015 e eles mostram que apenas no ano passado os gastos com pessoal na Assembleia Legislativa superaram 263 milhões de reais.

Sobre a exoneração da servidora Lilian Dias Alves, por meio de nota, o presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, o deputado Humberto Coutinho, informou que se encontra em tratamento quimioterápico. Segundo o diretor de Comunicação da Assembleia, Carlos Alberto Ferreira, todas as contratações e exonerações de servidores da casa são publicadas no Diário Oficial da Alema com total transparência.

Ainda segundo a nota, a servidora Lilian Dias, pediu exoneração no dia 1º de maio, no que foi atendida. Lilian Dias Alves atuava como diretora administrativa da Assembléia Legislativa do Estado (Foto: Reprodução/TV Mirante)
.