Mãe de Nicolas Naitz sempre contestou a hipótese do filho ter morrido (Foto: Willian Ferreira da Silva/Arquivo pessoal)
Uma criança localizada em uma cidade próxima a Vilhena (RO) pode ser Nicolas Naitz Silva, o bebê que desapareceu durante uma transferência entre hospitais em 2014 e depois dado como morto pela Polícia Civil (PC-RO) que concluiu em inquérito que ele foi incinerado por engano. O material genético da criança encontrada e da mãe de Nicolas, Marciele Naitz, já foi colhido para o exame de DNA. Ainda não há prazo para o resultado do procedimento.

Segundo o delegado Hélio Teixeira Lopes, uma denúncia ao Ministério Público de Rondônia (MP-RO) e à Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (DEPCA) informou a localização da criança. Tanto o menino quanto Marciele foram conduzidos para Porto Velho, capital do estado, para a coleta de material genético.

Mãe de bebê desaparecido em RO contesta incineração: ‘Mostrem o DNA”Quero reencontrá-lo vivo’, diz mãe de bebê desaparecido há um ano, em ROMPRO determina que investigações sobre bebê Nicolas sejam retomadasMãe de bebê incinerado por engano discute o caso com promotor, em ROMP recebe inquérito sobre caso do bebê incinerado por engano, em ROPolícia ouvirá mais três envolvidos no caso Nicolas Naitz, em ROFamília pedirá reabertura do inquérito do caso do bebê incinerado, em ROCorpo de recém-nascido foi incinerado por engano, em Porto Velho’Onde está Nicolas?’, cobra família de bebê desaparecido em Porto VelhoApós 12 dias, caso do bebê sumido em Porto Velho segue sem soluçãoBebê desaparecido em Porto Velho pode estar vivo, diz PolíciaCorpo de recém-nascido desaparece durante transferência para hospitalEm RO, morre o bebê de 5 meses que aguardava transferência para uma UTI
Se confirmado que a criança denunciada é Nicolas Naitz, muda-se totalmente o rumo das investigações, admite o delegado de polícia Hélio Teixeira Lopes.
Inicialmente, a Polícia concluiu, seis meses após o desaparecimento do corpo de bebê, que o cadáver do recém-nascido havia sido incinerado por engano.

“Se essa criança que nós localizamos for o Nicolas, teremos que identificar o bebê que foi incinerado e a investigação tomará outro rumo”, diz.
A mãe de Nicolas sempre defendeu a ideia de que Nicolas não estava morto.

Em julho do ano passado, após prestar depoimento na DEPCA, ela disse ao G1 que contestava o inquérito. “Não acredito nessa história.

Eles falam que meu bebê foi incinerado, mas, se foi, me mostrem o DNA dos restos mortais. É um direito meu”, contestou.

Entenda o caso Os pais de Nicolas moravam em Cujubim, distante 224 quilômetros da capital, quando a mãe entrou em trabalho de parto. A criança nasceu na cidade de Candeias do Jamari, distante cerca de 20 km de Porto Velho.

A mãe e o recém-nascido foram encaminhados para a capital devido o estado de saúde do bebê. Marcieli foi internada no Hospital de Base e Nicolas no Hospital Infantil Cosme Damião.

Como havia a necessidade de internação em Unidade de Terapia Intensiva (UTI), a criança foi transferida para a Maternidade Regina Pacis, onde supostamente teria falecido. O corpo desapareceu durante a transferência para o necrotério do Hospital de Base.

Após seis meses de investigação, a Polícia Civil concluiu que o cadáver do recém-nascido foi incinerado por engano.
.