Emenda faz parte de projeto para renovação de contrato com a Sanepar (Foto: Câmara de Londrina/Divulgação)
A Câmara de Londrina manteve, em sessão realizada na terça-feira (26), a cobrança por tarifa mínima de água aos moradores, feita pela Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar).
A proposta pela proibição da tarifa, feita pelo vereador Roberto Fú (PDT), por meio de emenda, foi vetada pelo prefeito Alexandre Kireeff (PSD). O veto foi aceito, na sessão de terça-feira, com oito votos favoráveis e sete contrários, invalidando, portanto, a extinção da tarifa.

Quatro vereadores estavam ausentes da sessão no momento da votação: Elza Correia (PMDB) e Roberto Kanashiro (PSDB), que participavam como testemunhas em audiência no Fórum, e Jamil Janene (PP) e Marcos Belinati (PP), ambos em licença médica.
“Perdemos uma grande oportunidade de darmos uma resposta à população, que tinha a expectativa de ver o fim desta tarifa.

Este era o momento para isto”, disse Fú.
O prefeito, por sua vez, informou na justificativa ao veto que, de acordo com o artigo 43 da lei nº 16.

242/2009, a fixação de tarifa é de competência exclusiva do Governo do Estado, e que, portanto, a proposta apresentava vício de inconstitucionalidade.
A emenda faz parte de projeto de lei, aprovado em 18 de maio, para autorizar a renovação de contrato, por 30 anos, com a Sanepar, para os serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário no município.

.