Antes da prova, houve congestionamento na MG-338 (Foto: Josiane Rocha Rezende/Arquivo Pessoal)
Candidatos do concurso da Prefeitura de Barbacena registraram Boletins de Ocorrência (BO) por não conseguirem fazer a prova neste domingo (10), no campus da Universidade Presidente Antônio Carlos (Unipac), em Campolide, distrito da cidade de Antônio Carlos. Eles avaliam recorrer à Justiça contra os organizadores do concurso.
Eles relataram que os portões foram abertos muito próximo do início das avaliações e que algumas pessoas foram autorizadas a entrar mesmo após o início.

Também disseram que não havia funcionários habilitados para lidar com a situação, faltavam representantes da organização do concurso e relatam desorganização e perigos na estrada.
Um engarrafamento na MG-338 atrasou a chegada de candidatos.

A 13ª Companhia Independente de Meio Ambiente e Trânsito informou que equipes estavam no trecho da MG-338 para garantir a segurança e a fluidez do tráfego, mas que o aumento no fluxo e as características do acesso ao local da prova causaram o congestionamento.
A Polícia Militar (PM) não repassou detalhes sobre os boletins registrados.

Na Unipac não foram encontradas fontes para atender à reportagem. A Prefeitura informou que a coordenação do concurso é de responsabilidade da Fundação Cefet Minas e que irá apurar os fatos ocorridos e as medidas cabíveis junto à organizadora.

O G1 aguarda retorno da Fundação CefetMinas, organizadora do concurso. ‘Foi um caos’, diz candidataA Justiça deve ser a opção para a candidata Amanda Coelho, que se inscreveu para o cargo de agente administrativo.

Ela reclama que alguns candidatos puderam entrar depois do horário enquanto outros foram barrados.
“O local tem três blocos.

Eu e outras pessoas corremos em direção ao nosso bloco, mas não liberaram a entrada. No entanto, eram 8h10 e em outros blocos a entrada de candidatos foi permitida.

Quem fez a prova na faculdade à tarde teve tolerância na entrada por causa do atraso”, explicou.
Ela disse que saiu com antecedência de casa, mas que o engarrafamento, perto do Bairro Boa Morte, atrapalhou.

Com isso, ela não conseguiu chegar a tempo. “Fiquei mais de uma hora parada.

Não havia organização, várias pessoas também perderam a prova porque ficaram presas no congestionamento. Vi gente largando o carro e indo de moto, sem capacete.

Pessoas largaram o veículo na estrada e correram. Foi um caos”, contou.

Amanda Coelho considerou que os organizadores poderiam ter usado um local dentro de Barbacena para realizar a prova e não no município vizinho. “Havia escolas na cidade que poderiam abrigar estes candidatos.

Haveria outras opções de caminho e os candidatos conseguiriam chegar”, explicou.
Outra dificuldade, segundo ela, foi a falta de informações dos organizadores.

“Não havia um responsável da empresa lá. Quem estava no local não tinha preparo para lidar com o que ocorreu, não sabia o que fazer.

Até agora não tivemos retorno dos organizadores nem da Prefeitura”, disse.
Juntamente com outros candidatos barrados, Amanda Coelho afirma que irá buscar orientação para recorrer à Jutiça.

“Chamamos a PM e fizemos BO. Fizemos um abaixo-assinado hora e colhemos 200 assinaturas.

Nesta semana, vamos nos encontrar para conversar sobre como agir. A ideia é procurar o Ministério Público para tentar uma ação conjunta.

A gente quer uma providência porque muitas pessoas foram prejudicadas”, afirmou.
Joseane Rocha Rezende iria concorrer ao cargo de agente administrativa, mas não chegou a tempo.

Foi o marido, Gilsomar Rezende, que a levou de carro ao local. Segundo ele, a esposa deve registrar BO e recorrer à Justiça.

“Eles abriram os portões às 7h para a prova que começava às 8h. Eram muitas pessoas e nem todas conseguiram chegar.

Teve gente que deixou o carro na pista, outros tentaram cortar caminho pelo acostamento ou pela contramão. Até agora não sei como não houve um acidente”, explicou.

Fluxo atípicoDe acordo com o comando da 13ª Companhia Independente de Meio Ambiente e Trânsito de Barbacena, duas equipes foram deslocadas para trabalhar na rodovia. Foi registrado aumento do fluxo em relação a um dia normal, mas não houve registros de ocorrências graves.

Para chegar à faculdade, o motorista deve pegar um acesso à direita na rodovia depois de uma ponte. De acordo com a polícia, é uma entrada estreita, que obriga a uma redução de velocidade e causa retenção.

Como eram muitas pessoas, houve o congestionamento.
O comando informou que os motoristas que foram flagrados cometendo infrações para fugir do engarrafamento foram autuados.

A Companhia ainda não tem um levantamento sobre número de autuações, tamanho e tempo do congestionamento. Concurso PúblicoDe acordo com a Prefeitura, 9.

817 inscritos disputavam 559 vagas em diversas áreas com salários de R$ 788,00 a R$ 8. 585,05.

Na primeira fase, realizada no domingo, os candidatos responderam à prova objetiva de múltipla escolha, que era eliminatória e classificatória para todos os cargos.
Na segunda etapa, será a prova de títulos, classificatória para os cargos de Nível Superior, além da prova prática, que será eliminatória e classificatória, para o cargo de Auxiliar de Serviços Gerais.

.