Diretor francês Jacques Rivette durante fala na Cinemateca Francesa, em Paris, em 2005. Ele morreu em janeiro deste ano (Foto: Stephane de Sakutin/AFP)
Começa na terça-feira (19) a mostra “Rivette Crítico” na Cinemateca de Curitiba. O objetivo é homenagear Jacques Rivette – diretor francês do movimento Nouvelle Vague e crítico da revista Cahiers du Cinéma.

Ele morreu em janeiro, aos 87 anos. A mostra segue até o dia 26 de abril, e as entradas são gratuitas.

Porém, ao invés de apresentar uma coletânea dos filmes diretor, serão exibidas produções que foram analisadas por Rivette em seus textos críticos, tendo como resultado a reunião de algumas das realizações mais importantes do cinema internacional das décadas de 50 e 60.
A programação faz parte das atividades de dois anos do Cineclube da Cinemateca, organizado pelo Coletivo Atalante, um grupo independente que desenvolve atividades em diferentes áreas culturais.

As sessões do Cineclube da Cinemateca, com exceção desta mostra comemorativa, ocorrem quinzenalmente aos sábados, sempre às 15h.
Confira a programação de “Rivette Crítico”:Terça (19)-16h30 – “Sob o Signo de Capricórnio, de Alfred Hitchcock (Under Capricorn, 1949/EUA – 117 min)-18h30 – “O Nascimento de uma Nação”, de D.

W. Griffith (The birth of a nation, 1915/EUA – 193 min)Quarta (20)-16h30 – “O Inventor da Mocidade”, de Howard Hawks (Monkey Business, 1952/EUA – 97 min)-19h30 – “A Tortura do Silêncio”, de Alfred Hitchcock (I confess, 1953/EUA – 95 min)Quinta (21)- 16h30 – “Terra dos Faraós”, de Howard Hawks (Land of the pharaohs, 1955/EUA – 144 min)-19h30 – “Viagem à Itália”, de Roberto Rossellini (Viaggio all’Italia, 1954/Itália – 97 min)Sexta (22)-16h30 – “Les Mauvaises Rencontres” , de Alexandre Astruc (*legendas em espanhol) (Les mauvaises rencontres, 1955/França – 84 min).

-19h30 – “Juventude Transviada”, de Nicholas Ray (Rebel without a cause, 1955/EUA – 111 min)Sábado (23)-19h30 – “Suplício de uma Alma”, de Fritz Lang (Beyond a reasonable doubt, 1956/EUA – 80 min). Domingo (24)-16h30 – “Bom dia, Tristeza”, de Otto Preminger (Bonjour, tristesse, 1958/EUA – 94 min).

-19h30 – “A Imperatriz Yang Kwei Fei”, de Kenji Mizoguchi (Yokihi, 1955/Japão – 98 min). Terça (26)-16h30 – “Os Incompreendidos”, de François Truffaut (Les quatre cents coups, 1959/França – 99 min)- Sessão dupla: 19h30 – “Machorka-Muff”, de Jean-Marie Straub e Danièle Huillet (Machorka-Muff, 1963/Alemanha – 18 min) e “No Silêncio de uma Cidade”, de Fritz Lang (While the city sleeps, 1956/EUA – 100 min)
.