Quase dois anos após o fim da exploração de minério nas minas do Amapá, o complexo administrativo da empresa Zamin Ferrous, em Santana, a 17 quilômetros de Macapá, mostra sinais de esquecimento e abandono.
Mato alto, prédios com janelas danificadas, maquinários quebrados e vagões do trem enferrujados no início da Estrada de Ferro do Amapá (EFA) são reflexo da atividade mineral paralisada em Pedra Branda do Amapari, a 183 quilômetros de Macapá. Mineradora vive cenário de abandono após paralisação das atividades no AP (Foto: Abinoan Santiago/G1)
A visão atual na área da Zamin é de longe o cenário que almejou escoar seis milhões de toneladas de ferro em 20 anos, atividade paralisada antes de completar uma década, após a primeira exportação, em 2007, ainda sob a administração do empresário Eike Batista.

As ações posteriormente foram vendidas para a Anglo American, que revendeu à Zamin, última administradora da concessão. A produção parou após o desabamento do porto privado da empresa.

Maquinas estão paradas em mineradora do Amapá(Foto: Abinoan Santiago/G1)
Por causa do ostracismo provocado pelas empresas, a mineração sofreu a primeira intervenção em julho de 2015, quando o governo do estado decretou a perda da ferrovia concedida à Zamin. O caso foi parar na Justiça, que manteve a caducidade.

No local onde funcionava a mineradora, em Santana, apenas um vigilante toma conta do espaço. Geradores e peças de máquinas pesadas foram furtados, segundo a Secretaria de Estado de Transportes (Setrap), e precisam ser ressarcidos ao Amapá, que passou a ter posse de grande parte da infraestrutura montada às margens do rio Amazonas.

“Tudo que tem relação com a ferrovia, que envolve os prédios e pátio, faz parte do patrimônio do estado. Grande parte foi depredada.

Entregamos tudo funcionando com toda uma relação de locomotivas, vagões e demais equipamentos, tudo em perfeito estado”, afirmou o secretário de Transportes, Jorge Amanajás. Estrada de Ferro do Amapá está tomada por mato alto (Foto: Abinoan Santiago/G1)Prédios estão com janelas quebradas na mineradora (Foto: Abinoan Santiago/G1)Maquinários estão todos parados na mineradora, em Santana (Foto: Abinoan Santiago/G1)Vagões estão tomados de mato alto na área de mineradora (Foto: Abinoan Santiago/G1)
.