Funcionários durante manifestação e pedido de apoio à Prefeitura (Foto: rafael Júnior/Arquivo Pessoal)
A Radil Alimentos, uma empresa especializada em abatedouro de aves, no município de Itapecerica dispensou nesta semana cerca de 200 funcionários, alegando perseguição do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), que chegou a interditar a unidade. Entretanto, o IMA informou por meio da assessoria que o local foi desinterditado no último dia 26 de abril e que a empresa, portanto, está apta a funcionar normalmente. O G1 conversou com uma gerente da empresa que não quis dar detalhes do ocorrido e disse que a Radil só se pronunciará na próxima semana.

Nesta quinta-feira (5) um grupo de funcionários da empresa se reuniu na porta da Prefeitura pedindo apoio do prefeito Antônio Dianese, para que haja uma intervenção junto ao IMA. Segundo o chefe de Gabinete Márcio Rodrigues, eles disseram que têm ocorrido inspeções muito rigorosas na empresa por parte do Instituto e por isso, pediram apoio do prefeito.

O Executivo informou ao G1 será marcada uma reunião com o secretário de Estado de Agricultura para discutir o assunto. IMAEm nota, o IMA informou que durante inspeções, a Radil Alimentos apresentou, nos últimos anos, um histórico de atrasos de ações para corrigir irregularidades de natureza higiênico-sanitárias dentre elas estruturais, operacionais e de equipamentos, o que causou deficiências e consequentemente o comprometimento da qualidade dos produtos e da saúde pública.

Diante desta situação, a indústria foi interditada no mês de março. Com o objetivo de reestabelecer as atividades, a empresa propôs um plano de ação cujos prazos foram acordados com o Serviço de Inspeção Estadual.

Na medida em que a empresa apresentava soluções para as irregularidades, os trabalhos foram sendo retomados de forma reduzida, favorecendo a inspeção dos produtos pela equipe de fiscais. “No último dia 26 de abril, após avaliação das ações corretivas, do controle do risco sanitário industrial foi estabelecida a sua desinterdição autorizando, portanto, o reestabelecimento de seus trabalhos de forma plena e segura”, como consta na nota enviada nesta sexta-feira (6).

.