Secretaria afirma que locais estavam irregulares (Foto: Divulgação/Sempma)
A Secretaria Municipal de Proteção ao Meio Ambiente (Sempma) interditou, nesta sexta-feira (16), as Estações de Tratamento de Efluentes (ETEs) dos condomínios Aldepark e Morada das Artes, no bairro do Antares, e do Parque Shopping, em Cruz das Almas, por crime ambiental. A interdição ocorre por tempo indeterminado.
A reportagem do G1 entrou em contato com a assessoria de comunicação do Parque Shopping, que ficou de apurar a situação para se posicionar sobre o assunto.

A empresa Moura Dubeux, responsável pelo Aldepark, nega qualquer irregularidade no empreendimento e também ficou de se posicionar oficialmente sobre o assunto.
A reportagem tentou localizar a empresa responsável pelo condomínio Morada das Artes, mas não conseguiu.

De acordo com a Sempma, no caso do shopping, a ação ocorreu após denúncias que reclamavam de fortes odores exalados no local, além do monitoramento da secretaria. Durante a interdição, a administração do shopping foi orientada a fazer o esgotamento da ETE por meio de caminhão limpa-fossa, pois a saída dos esfluentes foi lacrada.

“Nos condomínios verificamos o desrespeito à legislação ambiental e constatamos que o sistema de tratamento está com efluentes fora dos limites toleráveis. No shopping, o agravante é que os efluentes tratados não estão adequados ao reuso, pois a reutilização para irrigação ou limpeza dos espaços do shopping acaba sendo escoada para galerias de águas pluviais, o que é proibido”, disse o secretário de Proteção ao Meio Ambiente, Antonio Moura.

A secretaria relata ainda que a suspensão da interdição no shopping só ocorrerá após a assinatura de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), comprovando que  o lançamento dos efluentes está dentro dos padrões estabelecidos pela legislação ambiental.
Já em relação aos condomínios, também após denúncias, uma equipe de fiscalização da Sempma foi ao local para fazer vistorias das ETEs que e já haviam sido interditadas, acertando que elas seriam liberadas após a apresentação de laudos de coletar, relatórios de uma empresa privada e assinatura de um TAC.

A Sempma solicitou ao laboratório do Instituto do Meio Ambiente de Alagoas (IMA) a coleta de amostras dos efluentes das respectivas ETEs para uma contraprova para averiguar se as estações estavam em conformidade com a legislação ambiental. Como os TACs foram descumpridos, novos autos de infração foram expedidos, além do auto de reincidência.

Os laudos do IMA comprovaram que os efluentes estão sendo lançados completamente fora dos padrões, com índices de coliformes fecais altíssimos.
.