Alexandre Monteiro escreveu carta antes de sair de casa por causa de celular (Foto: Arquivo Pessoal)
O adolescente de 13 anos que fugiu de casa após o pai tomar o celular, na segunda -feira (9), voltou para casa nesta quarta-feira (11), em Porto Velho. Segundo a família, Alexandre Monteiro trocava mensagens em uma rede social quando pai recolheu o celular. Após voltar para casa, Alexandre falou com o G1 e disse que na primeira noite da fuga dormiu em um posto policial desativado da capital.

Na terça-feira (10, ele foi para a casa de um amigo que tinha contato somente pela internet. “Estava na casa desse amigo”, diz.

Segundo o estudante, o real motivo para sair de casa foi mesmo por causa do celular, pois o pai quer sempre fiscalizar com quem ele se relacionava na internet. Conforme a família, o garoto sempre ficava conversando pelo celular até tarde da noite e não deixava os pais saberem sobre o conteúdo da conversa.

“Estava tendo muita briga por minha causa, pois eu ficava muito tempo na internet. Após sair de casa na noite de segunda, fiquei na praçinha do Caladinho até três horas da manhã e depois fui para o posto da polícia desativado.

Ontem fui para casa de um amigo do Facebook. Foi a primeira vez que a gente se falou pessoalmente.

Voltei porque fiquei sabendo que minha mãe estava desesperada. Tenho muitos amigos que só conheço na internet e não tenho medo de me relacionar”,disse Alexandre.

Adolescente que fugiu de casa, junto com a família em Porto Velho (Foto: Matheus Henrique/G1)
O garoto mora com os pais e outros três irmãos no Bairro Cidade do Lobo, Zona Sul de Porto Velho. Segundo o pai de Alexandre, Alex Carneiro, todos da família já estavam deitados quando o garoto saiu de casa.

Segundo a família, o garoto sempre ficava conversando pelo celular até tarde da noite. “Não tinha nenhum problema dentro de casa, só que a gente cobrava muito sobre ele ficar até tarde no telefone, nesse negócio de Whatsapp e Facebook.

Perguntava com quem ele estava falando e ele corria ou bloqueava para eu não ter acesso”, conta a mãe, Maria Neide.
Segundo a mãe, a cobrança é feita pelo bem do filho.

“Ele tem que obedecer ao pai e a mãe dele. Hoje foi um amigo do Facebook, mas vai saber se o próximo não pode ser um pedófilo, um assassino ou alguém que queira fazer mal.

Os únicos amigos são só os pais e Deus. Até agora estou sem acreditar que ele voltou.

Estou sentido o mesmo sofrimento de ontem”, disse a mãe. CartaAntes de sair de casa, na noite de segunda, Alexandre escreveu uma carta dizendo que estava indo embora, pois estava cansado de chorar todas as noites.

O menino pedia para a família não procurar por ele, pois ele não queria voltar.
.