Estudantes da Ueap pretendem manter o prédio organizado durante a ocupação (Foto: Arquivo Pessoal)
Acadêmicos da Universidade Estadual do Amapá (Ueap) que estão ocupando o prédio do campus principal, em Macapá, há quatro dias realizaram na sexta-feira (6) um mutirão de limpeza em salas, corredores e banheiros do local. O movimento trancou as portas da universidade e não permite a entrada de funcionários e de outros estudantes na instituição. Movimento estudantil realizou um mutirão delimpeza na universidade (Foto: Arquivo pessoal)
O grupo de estudantes exige o repasse de 2% da arrecadação do Governo do Amapá e cobra melhorias na infraestrutura dos campi, além de apoiar a greve dos servidores dos quadros técnico e docente, que iniciou no dia 17 de março, reivindicando reposições salariais e flexibilidade nas negociações das categorias com o governo.

Eles também pedem a construção do Plano de Carreira, Cargos e Remuneração (PCCR) dos técnicos.
Integrante do movimento “Ocupa Ueap”, o estudante Jéferson Cardoso disse que os acadêmicos se sensibilizaram com os trabalhadores terceirizados da universidade, que estariam com salários atrasados.

Ele reforça que o prédio será mantido limpo.
“Sentimos na pele o que os trabalhadores da Ueap sentem.

Realizamos um mutirão de limpeza o dia inteiro de sexta-feira, sem receber nada. Estamos mantendo a organização do prédio durante a ocupação”, comentou Jéferson.

A ocupação por cerca de 80 acadêmicos iniciou na tarde de quarta-feira (4) após o movimento interditar a esquina da Avenida Presidente Vargas com a Rua General Rondon, no Centro de Macapá. Os estudantes queimaram pneus como forma de chamar atenção.

Mutirão de limpeza aconteceu em salas, corredores e banheiros da Unifap (Foto: Arquivo Pessoal)
.