Devido a superlotação nesta terça, 12, pacientes e acompanhantes estavam espalhados pelos corredores do Hospital Cosme Damião, em Porto Velho(Foto: Matheus Henrique/G1)
O Hospital Infantil Cosme e Damião ficou lotado na tarde desta terça-feira (12), em Porto Velho. O pronto socorro é referência em atendimento para todos os 52 municípios do estado de Rondônia. De acordo com a diretoria, a falta de atendimento médico nas Unidades de Pronto Atendimento, pertencentes ao município, tem causado um crescimento na procura pelos serviços oferecidos pelo hospital.

 
A direção do Cosme e Damião informou que 75% dos atendimentos feitos na unidade deveriam acontecer nas Unidades de Pronto Atendimento (UPA). De acordo com a Doutora Antonieta Rodrigues, todas as crianças que chegam ao hospital, que é referência em pediatria, passam por um médico.

“Toda criança é atendida. Se a prefeitura não atende, nós temos que atender.

É por isso, que causa esse tumulto. O fato já está acontecendo há mais de uma semana, mas hoje superlotou que não teve local para colocar as crianças.

Nosso quadro de médicos teve mudanças e aumentou. Em media de 75% desse quantitativo de pacientes não seria nosso”, explicou Antonieta.

Alguns pais confirmaram a falta de médico nas UPAs e por isso levaram os filhos diretamente para o hospital devido a praticidade. “Fui na UPA da Zona Sul e falaram que só estavam atendendo em casos urgentes de vida ou morte”, contou Tiago Gomes.

Ele estava com o filho com suspeita de infecção intestinal. Tiago levou filho ao Cosme Damião, após nãoreceber atendimento na UPA da Zona Sul(Foto: Matheus Henrique/G1)
O hospital Cosme e Damião trabalha com seis médicos plantonistas, mas na última semana, o número de profissionais aumentou para oito.

O objetivo é atender a todos os pacientes.
Devido o aumento no número de pacientes, nesta terça-feira(12), a direção do hospital solicitou cadeiras e poltronas, emprestadas ao Hospital de Base Dr.

Ary Pinheiro e a Fundação de Hemoterapia do Estado de Rondônia (Fhemeron) para acomodar as crianças e os acompanhantes.
A médica Antonieta disse que o nível de atendimento do Cosme Damião é amarelo e vermelho.

“É para crianças em risco de morte ou graves. Muitos pais vêm direto para o hospital porque conseguem resultados rápidos.

Isso tem estrangulado toda a nossa equipe”, finalizou.
.