Sede da fazenda ficou destruída em Rio Crespo (RO) (Foto: José Vieira/Arquivo pessoal)
A sede da fazenda Neiva Maria, localizada na Linha C-100, Zona Rural de Rio Crespo (RO), no Vale do Jamari, foi incendiada na noite da última terça-feira (19). Para a polícia, o proprietário do local apontou que os suspeitos de terem ateado fogo na casa podem ser integrantes da Liga dos Camponeses Pobres (LCP), que há cerca de quatro anos ocupam de forma irregular uma área da propriedade. Em entrevista concedida ao G1 nesta quinta-feira (21), José Joaquim Vieira, de 66 anos, disse que ele e a esposa residem no local há mais de 15 anos e que desde 2012, enfrentam problemas por conta da invasão de pessoas no local.

Sede da fazenda foi queimada durante a noite emRio Crespo (Foto: José Vieira/Arquivo pessoal)
Vieira relatou ainda a ocorrência de desmatamento e venda de madeira ilegal, feitos pelos invasores, além de furto de gado da propriedade. Ele destaca que já foram deferidas pela Justiça duas reintegrações de posse e que a polícia foi ao local no dia do incêndio para realizar um levantamento de acampados na propriedade para uma terceira reintegração.

“A policia fez todo o levantamento, saímos da fazenda com eles e fomos para Cujubim. Quando voltamos, já vimos a fumaça e a nossa casa pegando fogo.

Ficamos apenas com nossa roupa do corpo. Todos nossos pertences e documentos foram queimados.

Estamos sem rumo”, declarou. Na manhã de quarta-feira (20), a Polícia Militar esteve na propriedade e registrou o ocorrido na Delegacia de Polícia Civil de Ariquemes (RO).

A perícia técnica deve realizar trabalhos periciais na fazenda, que devem apontar as possíveis causas do incêndio e um laudo deve indicar se o fogo foi criminoso ou não. José Joaquim Vieira, de 66 anos, dono da propriedade (Foto: Franciele do Vale/G1)
.