Laiane resolveu investir na culinária japonesa comincentivo da família(Foto: Laiane Pianissoli/Arquivo Pessoal)
A fisioterapeuta Laiane Pianissoli de Ji-Paraná (RO), cidade da região central do Estado, resolveu contornar a falta de carteira assinada investindo na culinária japonesa. Motivada pela dificuldade em conseguir um emprego fixo na área de fisioterapia, a jovem deixou a carreira na qual atuou por seis anos na especialidade de tratamentos estéticos e mudou sua rotina fazendo sushis em feiras e faculdades do município.
O investimento inicial foi de menos de R$ 1 mil e com um mês de vendas obteve o retorno do valor.

Trabalhando em feiras da cidade ela atende diretamente o seu público, foge dos custos com aluguel e manutenção de um ponto comercial, fatores que fizeram Laiane triplicar sua renda mensal, e isso apenas oito meses após iniciar a produção.
A microempreendedora conta que sempre gostou da culinária oriental, mas ao se mudar para o Espírito Santo, não tinha dinheiro para frequentar restaurantes e decidiu aprender a fazer os próprios sushis.

Ela assistiu diversas videoaulas que ensinavam o modo de preparo. Amigos e familiares aprovaram a nova cozinheira e Laiane decidiu investir fazendo um minicurso de ‘sushigirl’, nome dado para quem prepara o sushi.

A jovem empreendedora vende seus sushis nasfaculdades e feiras da cidade(Foto: Laiane Pianissoli/Arquivo Pessoal)
A jovem conta que começou a investir  na nova carreira ainda quando morava no sudeste do país, mas que viu uma possibilidade de ter mais mercado em sua cidade natal, Ji-Paraná. Atualmente ela atende de forma autônoma em feiras, como o Feirão do Produtor e Feira do Jardim dos Imigrantes, além de, uma vez por semana, vender seus produtos em frente às faculdades do município.

“O setor de alimentação é um mercado para o qual sempre há procura e com a crise eu percebi que as pessoas estavam deixando os tratamentos estéticos de lado, o que me fez perder muitos clientes em um curto espaço de tempo. Eu comecei a fazer sushi no Espírito Santo e vi que poderia ganhar mais aqui em Ji-Paraná, onde tenho o apoio de familiares e conhecidos que ajudaram na divulgação do meu trabalho”, explica Laiane.

Contudo, em razão da alta do dólar, o preço do salmão subiu e esse fator forçou a microempreendedora a inovar no cardápio. A jovem criou um menu especial alterando alguns dos produtos utilizados na fabricação do sushi em busca de alternativas para não repassar totalmente o aumento do valor aos clientes.

“Antes o salmão era o carro chefe e representava 80% do meu cardápio. Hoje é cerca de 60%.

Tive que aumentar um pouco o preço dos alimentos que tinham salmão e criei outras opções, como sushi com peixe branco, atum e cenoura com pepino. Também troquei as embalagens nas quais o produto é vendido por uma mais barata, tudo para não aumentar tanto o preço do produto e não perder clientes”, resumiu.

A jovem relata que o próximo passo é oficializar a situação como microempreendedora individual. “Como próximo passo, eu pretendo ir ao Sebrae e buscar mais informações, principalmente na parte administrativa e me desenvolver com empreendedora” afirma Laiane.

Investimento inicial para iniciar a fabricação de sushis foi de R$ 1 mil. (Foto: Laiane Pianissoli/Arquivo Pessoal)
.